Alunos portugueses são os únicos da OCDE a melhorar o desempenho na última década

Apenas sete dos 79 sistemas educativos analisados no PISA tiveram melhorias significativas durante toda a sua participação no estudo internacional. Portugal é o único país da OCDE a registar uma trajetória de evolução positiva.

Os alunos portugueses foram os únicos da OCDE a melhorar o desempenho na Leitura, Ciências e Matemática ao longo dos últimos anos. A conclusão é do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) 2018, o estudo internacional trienal que avalia a literacia dos alunos de 15 anos de idade nestes três domínios, bem como no bem-estar dos estudantes.

De acordo com os dados do PISA, apenas sete dos 79 sistemas educativos analisados tiveram melhorias significativas durante toda a sua participação no PISA (que começou em 2000) e apenas um deles é membro da OCDE: Portugal. Segundo o relatório este resultado é "dececionante", tendo em conta que o custo por aluno subiu mais de 15% nos países da OCDE, na última década.

Em 2018, a pontuação de Portugal andou perto da média da OCDE em Leitura, Matemática e Ciências. Nos domínios da Leitura e da Matemática, o desempenho médio em 2018 ficou próximo do nível observado no período de 2015. Já nas Ciências, o desempenho médio em 2018 ficou abaixo do de 2015 e voltou a níveis próximos dos observados em 2009 e 2012. No entanto, quando avaliado por um período mais longo - isto é, desde o início do estudo, que remonta a 2000 - Portugal é um dos poucos países com uma trajetória positiva de melhoria nos três domínios.

Em declarações à TSF o secretário de estado adjunto da Educação, João Costa admite que o fosso entre estudantes continua a aumentar, mas há aspetos que merecem destaque positivo.

"Estamos de parabéns em particular os nossos professores. há uma notícia muito boa: Portugal é o único país da OCDE com uma trajetória continuamente positiva. Depois, há uma notícia que torna esta alegria relativa: os resultados estagnaram até houve uma ligeira descida nas ciências e o resultado mais preocupante, que deve ser o alvo da nossa atuação, somos um dos países em que as desigualdades entre os alunos socioeconomicamente mais favorecidos e os mais pobres é maior." Afirma o governante.

Importa sublinhar que Portugal não entregou o mínimo de testes exigidos pelo PISA, tendo enviado apenas 76% dos 80% solicitados. De acordo com o relatório, o número elevado de alunos que não responderam ao teste pode levar a resultados tendenciosos, uma vez que esses estudantes seriam, provavelmente, os que teriam um desempenho mais baixo. Ainda assim, o PISA decidiu considerar os testes enviados por Portugal, comparando-o diretamente com os países que apresentaram o número mínimo exigido.

Leitura

Quanto ao domínio da leitura, em Portugal, 80% dos estudantes atingiram pelo menos o nível 2 de proficiência, um resultado três pontos percentuais acima da média da OCDE (77%). Os alunos que atingem este nível conseguem identificar a ideia principal de um texto de tamanho médio, encontrar informações com base em critérios explícitos, embora às vezes complexos, e refletir sobre o objetivo e a forma dos textos quando explicitamente instruídos a fazê-lo.

No mesmo plano, cerca de 7% dos estudantes em Portugal atingiram os níveis 5 ou 6 no teste de leitura do PISA, sendo que a média da OCDE é de 9%. Nestes dois níveis, os mais elevados da tabela, os alunos conseguem compreender textos longos, lidar com conceitos abstratos ou contraintuitivos e distinguir factos de opiniões, com base em pistas implícitas referentes ao conteúdo ou fonte das informações.

Matemática

Na área da Matemática, cerca de 77% dos estudantes em Portugal atingiram o nível 2 ou superior em matemática, sendo que média da OCDE é de 76%. Os alunos que atingem este nível conseguem, no mínimo, interpretar e reconhecer, sem instruções diretas, como uma situação (simples) pode ser representada matematicamente (por exemplo, comparando a distância total entre duas rotas alternativas ou convertendo preços numa moeda diferente).

Por outro lado, 12% dos alunos portugueses obtiveram nota 5 ou superior em Matemática, um resultado que se situa um ponto percentual acima da média da OCDE (11%). Estes estudantes têm competências para lidar com situações complexas matematicamente e conseguem selecionar, comparar e avaliar estratégias apropriadas para solucionar problemas.

Ciências

Cerca de 80% dos estudantes em Portugal atingiram o nível 2 ou superior em Ciências, um resultado dois pontos percentuais acima da média da OCDE (78%). Os alunos que atingem este nível conseguem reconhecer a explicação correta para fenómenos científicos familiares e conseguem usar esse conhecimento para identificar, em casos simples, se uma conclusão é válida com base nos dados fornecidos.

Por outro lado, em Portugal, 6% dos estudantes conseguiram atingir os níveis mais elevados (5 e 6) de proficiência em Ciências. Neste plano, Portugal fica um ponto percentual abaixo da média da OCDE (7%). Os alunos que atingem este nível conseguem aplicar de forma criativa e autónoma os seus conhecimentos científicos a múltiplas situações, incluindo as que não lhes são familiares.

O PISA é um estudo feito a cada três anos a alunos de 15 anos que avalia até que ponto os estudantes têm competências e habilidades essenciais para uma participação plena na sociedade.

*e Rui Polónio

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de