SEF desmantela esquema para atribuição de nacionalidade e títulos de residência

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras adiantou que este esquema de falsificação de documentos foi desmantelado na segunda-feira.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) desmantelou um esquema de falsificação de documentos com vista à atribuição da nacionalidade e residência portuguesa, tendo constituído como arguidos 12 pessoas, indicou esta terça-feira aquele serviço de segurança.

Em comunicado, o SEF adianta que este esquema de falsificação de documentos foi desmantelado na segunda-feira no seguimento de uma investigação iniciada há cerca de um ano e meio. Segundo o SEF, este esquema passava pela emissão fraudulenta de certificados de conhecimento da língua portuguesa com vista à concessão de autorização de residência permanente, estatuto de residente de longa duração e atribuição da nacionalidade portuguesa.

Aquele serviço de segurança indica que foram constituídas arguidas duas mulheres, uma portuguesa e outra estrangeira, por vários crimes de falsificação de documentos. O SEF explica que uma das arguidas é a professora responsável por lecionar cursos de português para falantes de outras línguas numa escola do norte do país, tendo promovido "de forma fraudulenta a emissão de centenas de certificados sem que a maioria dos alunos frequentassem a totalidade das sessões que constituíam o programa curricular".

A outra arguida residia na zona de Viseu e angariava e encaminhava os alunos para inscrição e alegada frequência dos cursos lecionados pela escola e da responsabilidade da professora. Os outros 10 arguidos são cidadãos estrangeiros a quem já tinha sido concedida a nacionalidade portuguesa mediante a utilização deste tipo de certificados.

Segundo o SEF, estes certificados de conhecimento da língua portuguesa constituem, de acordo com a legislação em vigor, um dos requisitos para concessão de autorização de residência permanente, estatuto de residente de longa duração e atribuição da nacionalidade portuguesa, existindo várias escolas em todo o país onde estes cursos são lecionados.

O SEF sublinha que uma significativa parte dos alunos que frequentava a escola visada na investigação possuía residência noutras zonas do país, designadamente em Leiria, Lisboa, Alentejo, Algarve e ilhas. Muitos dos alunos deslocavam-se "apenas numa ou outra ocasião à escola para assinar as folhas de presença e não frequentava efetivamente as aulas", acrescenta a nota.

Durante a investigação, o SEF realizou buscas na escola, onde apreendeu diversa documentação, designadamente folhas de presença de alunos com assinaturas correspondentes a datas posteriores àquela em que os mandados foram executados, além de assinaturas que depois se revelaram ser falsificadas.

O SEF indica também que toda a documentação recolhida permitiu apurar que várias centenas de pessoas, maioritariamente da Europa de Leste, terão obtido fraudulentamente certificados de conhecimento de língua portuguesa.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados