Suspensão de cirurgias no Santa Maria depende da pandemia e do comportamento dos portugueses

Conselho de Administração diz que duração da suspensão é incerta: tanto pode ser três semanas como dois meses.

O presidente do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, que inclui o maior hospital do país, o Santa Maria, e o Pulido Valente, admite que é incerto quanto tempo vai demorar a suspensão de todas as atividades não urgentes e não prioritárias que envolvam internamentos, nomeadamente atividade cirúrgica.

Daniel Ferro conta à TSF que a circular enviada esta quarta-feira aos diferentes serviços formalizou algo que já estava combinado, pois era "fundamental" e "inevitável" mobilizar mais profissionais para a resposta à pandemia, sem prejudicar a vida dos doentes não-covid, numa altura em que a pressão é ainda maior do que na primeira vaga.

"Isto tem sido gradual, é uma medida que já leva alguns dias e o apelo, a partir de agora, é para apenas salvaguardar situações prioritárias. Até aqui algumas situações foram limitadas e reduzidas, mas agora queremos mobilizar recursos ao máximo da capacidade", refere Daniel Ferro.

O presidente diz que a pressão neste centro hospitalar é idêntica à que existe noutras zonas do país, com um aumento de internamentos motivado pela Covid-19.

"À medida que passa o tempo, cada semana tem aumentado o número de doentes a precisar de cuidados intensivos", sendo necessário ir mobilizando cada vez mais recursos.

O tempo que irá durar a suspensão de atividades não urgentes "tanto pode ser duas semanas como dois meses", adianta Daniel Ferro, que sublinha que tudo depende do ritmo das infeções e da "atitude e comportamentos da população face à pandemia": É isso "que vai determinar as necessidades que teremos e o período em que estarão no nível máximo", conclui.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de