150 anos da tabela periódica

A tabela periódica é "o código de toda a matéria do universo"

Tem 118 símbolos químicos e foi criada há 150 anos. Para o professor da Universidade de Coimbra, Carlos Fiolhais, a tabela periódica é uma forma de organização "genial".

A tabela periódica foi criada há 150 anos. Tem 118 símbolos químicos e muito dificilmente teremos um dia uma tabela maior, com mais símbolos, mas é possível, garante Carlos Fiolhais, professor da Universidade de Coimbra. A ordenação que a Ciência hoje usa tem origens na Rússia e o cientista Dmitri Mendeleiev, que a ela deu origem foi um visionário. Montou um puzzle e teve a mestria de deixar espaços em branco que, décadas mais tarde, vieram a ser preenchidos.

PUB

Muitos dos elementos químicos são bem mais antigos do que a tabela periódica. Só no século XIX se chega a esta organização que, Carlos Fiolhais, professor da Universidade de Coimbra, apelida de "genial". "Reparou na semelhança química dos elementos conhecidos na altura e ordenou-os por colunas e linhas na tabela que hoje todos os alunos conhecem. Montou o puzzle de elementos químicos com alguns buracos, porque percebeu que lhe faltavam peças, que hoje já conhecemos como o Galio, o Germânio", afirma.

Espaços em branco que, mais tarde, vieram a ser preenchidos, como se tivemos encontrado novas peças de um puzzle. "Tudo é feito a partir dos 118 elementos. A tabela é o código de toda a matéria do universo", diz. A ordenação dos 118 símbolos químicos da tabela periódica nem sempre foi consensual, mas isso é bom, porque é"da discussão que nasce a luz em Ciência".

Agora, depois destes elementos químicos base, só produzindo outras matérias, porque a Ciência e a química avança "fazendo combinações do que já existe na tabela periódica". A nanotecnologia é disso um exemplo. Mas isto não significa que a tabela periódica esteja encerrada. Carlos Fiolhais, professor do departamento de Física da Universidade de Coimbra, diz que é possível que possam vir a ser mais os símbolos químicos, mas é difícil que aconteça. "Muito dificilmente, e se tivermos serão tão instáveis e viverão um tempo muito curto, que não serão muito úteis. Vai mudar muito na ciência, mas a tabela periódica não vai mudar".

Carlos Fiolhais lembra na reportagem áudio alguns dos acrescentos mais recentes e importantes da tabela periódica.

O elemento químico 118 é o ununócio. Foi sintetizado em laboratório e batizado em 2006.

  COMENTÁRIOS