A dislexia na Feira do Livro 

A Associação Portuguesa de Dislexia aproveita a Feira do Livro de Lisboa para informar e esclarecer dúvidas sobre esta perturbação neurológica que tem de ser detetada o mais precocemente nas crianças, para treinar competências e minorar os problemas neurológicos.


A Associação Portuguesa de Dislexia quer que os professores recebam formação sobre esta disfunção neurológica. Este sábado, a Associação vai estar na Feira do Livro de Lisboa, para esclarecer dúvidas sobre esta perturbação neurológica.
A presidente, Helena Serra, sublinha que quanto mais cedo a dislexia for detetada, mais depressa se podem treinar e acompanhar as crianças, minorando os problemas neurológicos. Helena Serra destaca, assim, a importância de identificar esta perturbação bem cedo nas crianças em idade escolar para que sejam devidamente acompanhadas e para evitar que mais tarde tenham problemas mais graves.

Um estudo universitário da Associação Portuguesa de Dislexia revela que no primeiro ciclo há cinco por cento de crianças com dificuldades de leitura. Tendo em conta a importância dos professores e da Escola na deteção precoce da doença, Helena Serra tem um pedido para o Ministério da Educação.

Para passar a mensagem, a Associação Portuguesa de Dislexia está este ano na Feira do Livro de Lisboa disponível para informar e esclarecer mas também para propor a realização de alguns exercícios que podem ser uma espécie de despiste rápido.

A Associação estará presente na Feira este sábado, e nas seguintes datas: 1 de junho (17h30/19h30), 2 de junho (11h/12h), 7 de junho (17h30/19h30), 8 de junho (17h30/19h30) e 9 de junho (11h/12h).

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de