Educação

Escola com dois semestres e liberdade para desconstruir programas

No Agrupamento de Escolas do Freixo, em Ponte de Lima, o ano letivo está dividido em dois semestres. A escola tem autonomia para organizar o calendário escolar, os horários e o programa curricular.

A medida faz parte do PPIP - Projeto Piloto de Inovação Pedagógica, criado pelo Ministério da Educação e que está a ser aplicado em seis agrupamentos de todo o país. O objetivo é combater o insucesso.

No Agrupamento de Escolas do Freixo, em Ponte de Lima, o primeiro semestre terminou a 2 de fevereiro e o segundo começou no dia 15. Sem querer estabelecer uma relação causa efeito, o diretor Luís Fernandes, sublinha que em comparação com o 1º e 2º períodos dos últimos quatro anos, há menos alunos referenciados para retenção e nas ciências a taxa de sucesso passou de 50% para 90%.

O ano letivo está dividido em dois semestres, em vez dos tradicionais três períodos e todas as aulas têm 50 minutos. O calendário procura um equilíbrio entre os momentos de avaliação e o trabalho do dia a dia e ao longo do ano.

Alunos e professores sentem que ganham mais tempo para detetar dificuldades e dar uma resposta.

A avaliação do primeiro semestre, que terminou no dia 2 de fevereiro, foi positiva, os alunos contam que a atitude dos professores é diferente.

O diretor do agrupamento das Escolas do Freixo, Luís Fernandes não estabelece uma relação causa/efeito, mas sublinha que em comparação com os 1º e 2º períodos dos últimos 4 anos, há dados relevantes.

"Por exemplo em ciências, a alteração do programa do 8º passar para o 7º ano e do 7º ter passado para o 8º, gerou que nos últimos quatro anos a média de positivas rondava os 50% e neste primeiro semestre está nos 90%".

Os encarregados de educação aceitaram bem as mudanças. O PPIP quer tratar cada aluno como um indivíduo e cada turma como um grupo.