Educação

História dos Descobrimentos está mal contada? "O problema não está nos manuais"

Um professor e um historiador analisaram, no Almoço TSF, as recomendações do Conselho da Europa sobre a explicação do colonialismo das descobertas nas salas de aula. E discordaram delas.

Tudo começou com o relatório da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância, do Conselho da Europa. Numa análise a Portugal, este organismo recomendou ao governo que faça incluir nos manuais escolares uma outra visão sobre o período dos Descobrimentos portugueses .

Mas Arlindo M. Caldeira, historiador, e Miguel Monteiro de Barros, professor, ambos autores de manuais de história do ensino básico, disseram no Almoço TSF, que o problema, a existir, não estará nos manuais.

Pelo menos, "não será um problema exclusivo dos manuais, ou de todos os manuais", garantiram ambos os autores.

Miguel Monteiro de Barros, que é presidente da Associação dos Professores de História, explicou que o programa elaborado pelo ministério da educação, "é mais ou menos neutro" e dá muita latitude aos docentes.

E lembrou que tudo depende "de como cada professor, na sala de aula, se apropria do programa e dos manuais".

Arlindo M. Caldeira, que escreveu livros sobre a escravatura em Portugal e que participa, há vários anos, na elaboração de manuais de história para o ensino básico, não compreende os reparos do Conselho da Europa.

"Se querem que Portugal ponha em causa o papel que teve na chegada ao novo mundo é um disparate. Se a ideia é por em causa a perspetiva com era tratada a história, no tempo de Salazar, não faz sentido, porque está mais do que ultrapassada".

Miguel Monteiro de Barros admitiu que "haveria vantagem em ter uma equipa para validar os manuais de história, que fosse multidisciplinar, com pessoas da sociologia, por exemplo". Arlindo M. Caldeira concorda com a sugestão.

Os dois convidados do Almoço TSF criticaram a forma como o relatório foi elaborado, ouvindo apenas organizações não-governamentais, e não escutando os autores dos manuais, nem os professores.

  COMENTÁRIOS