empréstimos a estudantes

Universitários do Algarve acusam governo de discriminação

Os estudantes que frequentam a Universidade do Algarve não podem aceder à linha de crédito com taxas de juro mais baixas, criada para ajudar a financiar os cursos. Ministro do Ensino Superior fala de um "processo complexo" e nega discriminação.

A linha de crédito lançada pelo governo abrange os estudantes universitários do Norte, Centro e Alentejo mas deixa de fora os que frequentam a academia do Algarve. PSD e PS já vieram pedir ao Ministério da Ciência e Ensino Superior que contemple uma verba no Orçamento de Estado para o efeito.

Este empréstimo bonificado a que os alunos podem candidatar-se para pagar os seus estudos é atribuído através do programa comunitário POCH- Programa Operacional de Capital Humano. Mas o Algarve, por ser uma região de transição, não é contemplado por estes fundos.

E quem sai prejudicado são os estudantes que frequentam a Universidade do Algarve que não podem aceder à linha de crédito com taxas de juro mais baixas, criada para ajudar a financiar os cursos.

Pedro Ornelas, presidente da associação Académica da Universidade do Algarve, considera que há uma discriminação."Se queremos ter um ensino superior inclusivo temos que dar as mesmas condições a todos", afirma.

Também os deputados do PSD Cristóvão Norte e José Carlos Barros já apresentaram um requerimento ao Ministério do Ensino Superior, pedindo igual tratamento para todos os estudantes universitários do País.

Cristóvão Norte considera que não basta dar mais vagas às universidades fora dos grandes centros, é preciso conceder as mesmas condições a todos os alunos.

"Há uma injustiça flagrante que deve ser prontamente corrigida", diz o deputado. "O governo deve assegurar que, para ultrapassar essa circunstância se atribui os fundos através do Orçamento do Estado."

O deputado do PS Luís Graça alinha pelo mesmo tom. Na sua página do Facebook afirma que escreveu ao ministro da Ciência e Ensino Superior pedindo que, já que os fundos comunitários não o permitem, que o Orçamento do Estado contemple uma verba para os empréstimos aos estudantes universitários da região.

Ministro nega discriminação

O ministro do Ensino Superior nega, em declarações à TSF que haja qualquer discriminação em relação aos alunos do Algarve, no que diz respeito à linha de crédito para universitários. Manuel Heitor fala num processo complexo e sublinha que o facto de haver verbas comunitárias e nacionais está a atrasar o processo.

"Claro que nunca seria razoável qualquer ação desse tipo. Agora, temos que perceber que há fontes de financiamento que são seletivas, nomeadamente financiamentos comunitários. Portanto, uma parte do sistema de empréstimos vai ser financiado através de fundos comunitários, o que não for será com fundos nacionais. Por isso, não haverá nenhuma discriminação."

O ministro diz ainda que o que está a ser feito pelo Governo é o reforço dos empréstimos com verbas nacionais.

[Notícia atualizada às 14h08]

  COMENTÁRIOS