Educação

"O acesso à violência acontece cada vez mais cedo"

No Dia da Não Violência e da Paz na Escola, a TSF visitou uma escola que assinala a data com atividades para tentar passar aos alunos valores fundamentais da vida em sociedade.

É pelas crianças que deve começar a incutir-se o sentido da não violência e da paz na escola, mas a lição já tem de vir estudada de casa. Existe falta de educação parental e falta de tempo dos pais para dedicar aos filhos, que se reflete na violência dentro do recinto escolar.

Estas são algumas das ideias que estão na base da semana que o Agrupamento Escolar de Oliveira do Bairro vai dedicar à Não Violência e à Paz na Escola, Dia Internacional que se assinala esta terça-feira. Cerca de 700 alunos da Escola Básica Dr. Acácio de Azevedo, em Oliveira do Bairro, assistiram a uma largada de pombas, e preparam muitas outras atividades pacíficas que a TSF foi conhecer.

As crianças da Escola Básica Dr. Acácio de Azevedo, reconhecem que sem paz e harmonia na escola, e sobretudo no recreio, é impossível que haja amizade.

Mafalda Branco é mediadora de conflitos no Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro, que tem mais de dois mil alunos, e explica na reportagem áudio que o dia da não violência e da paz nas escolas permite trabalhar valores fundamentais para a vida em sociedade e que devem ser trazidos para dentro do recinto da escola.

Para passar a mensagem foram libertadas 260 pombas na entrada da Escola Básica Acácio de Azevedo, uma das muitas atividades onde, sem violência, os alunos vão estar envolvidos, como garante a mediadora Mafalda Branco, e que pode conhecer ouvindo a reportagem do jornalista Miguel Midões.

Júlia Gradeço, diretora da Escola, quem ajuda a perceber porque é obrigatório abordar o tema da não violência nas escolas e onde está a origem do problema.