Trump assusta mais as crianças do que uma guerra nuclear

Um estudo que analisou o impacto dos acontecimentos mentais na saúde mental das crianças revelou que o presidente dos EUA é uma das coisas que mais as assusta, logo a seguir aos ataques terroristas.

Um estudo publicado esta terça-feira pela Mental Health Foundation, uma fundação britânica que trabalha sobre as questões da saúde mental, revela que as crianças do reino Unido têm mais medo de Donald Trump do que da possibilidade de acontecer uma guerra nuclear.

Para este estudo, que pretende analisar o impacto dos acontecimentos mundiais na saúde mental das crianças, foram inquiridos mais de 1800 pais de crianças com idades entre os 5 e os 18 anos.

Entre as circunstâncias do estado do mundo consideradas mais assustadoras pelas crianças, Donald Trump surge, com 33% das respostas, à frente de problemas como o aquecimento global (32%) e da ameaça de uma guerra nuclear (23%).

De acordo com as respostas apresentadas pelos pais, o maior medo das crianças é mesmo a ameaça terrorista: 40% das crianças temem um atentado terrorista.

Em 60% dos casos, as crianças mostraram-se mais ansiosas, relativamente à possibilidade de presenciar um ataque terrorista, 24% precisaram de reassegurarão dos pais de que tudo estaria bem e 13% pediram aos pais para evitar os transportes e locais públicos. Há ainda 8% que relatam ter tido pesadelos.

"Muitas vezes esquecemo-nos de que os acontecimentos angustiantes podem ter um impacto significativo na saúde mental das nossas crianças. Isto é particularmente verdade nesta era digital, onde já não é possível proteger as nossas crianças de todas as notícias assustadoras ou preocupantes", afirmou Camilla Rosan, especialista em psicologia infantil da Mental Health Foundation.

"As boas notícias são que há muito que podemos fazer para ajudar as crianças a lidar com acontecimentos assustadores", realçou, "é importante saber pôr as coisas em perspetiva e fazê-las saber que estão seguras".

"Os pais podem ajudar as crianças, lidando com estes problemas desde cedo, ao falar com elas sobre os problemas de uma maneira aberta e honesta", explicou a psicóloga. "Assim as crianças percebem que não há problema em falar sobre assuntos assustadores e, esperemos, dar-lhes-á confiança para falar sobre outras coisas que estejam a preocupar as suas mentes".

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de