Energia

200 milhões para tornar casas portuguesas mais eficientes

Os ministros do Ambiente e do Planeamento apresentam esta sexta-feira o programa Casa Eficiente 2020. O programa vai dar empréstimos com condições mais favoráveis a quem fizer obras para melhorar a eficiência energética das casas.

Se quer colocar janelas novas com vidros duplos, instalar painéis solares, passar a utilizar lâmpadas eficientes, mudar a instalação elétrica ou até mesmo comprar eletrodomésticos de baixo consumo, há um novo programa que financia pequenas obras para ajudar a tornar as casas portuguesas mais eficientes.

PUB

São 200 milhões de euros num programa preparado pelo Governo em conjunto com o setor da construção e três bancos - a Caixa Geral de Depósitos, o Millennium BCP e o Novo Banco -, que asseguram 100 milhões. A outra metade chega através do Banco Europeu de Investimento.

O programa Casa Eficiente 2020 prevê empréstimos reembolsáveis, mas com condições mais favoráveis. As taxas são conhecidas esta sexta-feira, mas o Governo garante que são competitivas.

A notícia, publicada esta sexta-feira no Jornal de Negócios e no Público, revela que qualquer um pode fazer uma simulação no portal Casa Eficiente para obter uma declaração. É com esse documento que depois se pode candidatar a financiamento junto da banca.

As obras podem ser feitas no continente e ilhas, em prédios inteiros ou frações autónomas, desde que estejam destinados a habitação.

Têm é de ser obras que melhorem a eficiência energética, utilizem energias renováveis, melhorem o desempenho ambiental e a gestão dos resíduos urbanos.

O programa Casa Eficiente tem um portal com mais informações aqui.

Construtores aplaudem programa

Reis Campos, da Confederação da Construção e Imobiliário, considera que o programa Casa Eficiente é "um instrumento para a dinamização da construção e do imobiliário" e será um estímulo ao desenvolvimento económico, com criação de mais emprego.

Para o responsável, numa primeira fase o investimento de 200 milhões de euros é o ideal, mas acredita que em breve o programa será reforçado.

Todas as empresas que podem fazer obras ao abrigo do programa Casa Eficiente têm de estar inscritas numa plataforma. Reis Campos revela que mais de uma centena de empresas já se inscreveu.