Estrada abateu no Alentejo

Bastonário da Ordem dos Engenheiros diz que deslizamento de terra era previsível

Mineiro Aires diz ser lamentável que a estrada tenha permanecido aberta, apesar dos alertas.

O bastonário da Ordem dos Engenheiros, Mineiro Aires, disse à TSF que o deslizamento de terra que deu origem ao abatimento de uma parte da estrada que liga Vila Viçosa a Borba - e que provocou duas vítimas mortais - era previsível.

"Quando há uma zona de proteção, entre os taludes da pedreira - que naquela altura era uma parede vertical - e a estrada e quando, por baixo dessa estrada, não há uma uniformidade daquele maciço rochoso, mas há terra, é óbvio que tudo se conjugava para que isto acontecesse um dia."

Mineiro Aires diz ser lamentável que a estrada tenha permanecido aberta, apesar dos alertas.

"Infelizmente são estes acidentes que depois justificam a ação, quando a ação devia acontecer antes de existirem acidentes. É darem ouvidos ao que dizemos, aos alertas, à população que se apercebe destas coisas."

O bastonário da Ordem dos Engenheiros lamenta que, em Portugal, não haja uma aposta séria na prevenção.

"A questão não está aqui em encontrar ou não encontrar os culpados que é a primeira tentação que nós em Portugal temos. A questão aqui está em evitar que as coisas aconteçam. Se houver mecanismos e se houver práticas de acautelar o risco por sistema e não esporadicamente e por reação aos acidentes é óbvio que o país fica a ganhar. Existirão muito mais situações como esta. Naquela zona há mais, mas se calhar por todo o país há outras. Há taludes em risco, há pontes em risco."

  COMENTÁRIOS