Comissão para Igualdade chama comunicação social devido a aumento de discurso xenófobo

A comissão recorda que tem por missão prevenir, "proibir e sancionar" a violação, recusa ou condicionamento do exercício de direitos económicos, sociais ou culturais, em razão da pertença racial ou étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem.

A Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação (CICDR) reiterou hoje que devem ser evitadas as referências a nacionalidade, etnia ou situação documental em notícias a partir de fontes oficiais e em meios de comunicação social.

O Alto Comissário para as Migrações e presidente da CICDR, Pedro Caldo, convocou para hoje uma reunião com as estações de televisão RTP, SIC e TVI, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e o Sindicatos dos Jornalistas (SJ).

"O presidente da CICDR tem acompanhado com manifesta apreensão e preocupação os acontecimentos dos últimos dias e o crescendo extremar do discurso xenófobo nas plataformas digitais, redes sociais e caixas de comentários online", lê-se num comunicado emitido hoje, juntamente com uma recomendação.

A comissão recorda que tem por missão prevenir, "proibir e sancionar" a violação, recusa ou condicionamento do exercício de direitos económicos, sociais ou culturais, em razão da pertença racial ou étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem.

Este órgão reitera, assim, uma posição já assumida em 2006 e defende que urge pugnar pela sensibilização para a convergência de esforços no combate à discriminação racial, xenofobia e outras demonstrações de intolerância.

No comunicado que assina, Pedro Calado afirma que o discurso de ódio tem aumentado nas plataformas digitais e dá conta de diversos contactos com o Facebook, no último ano, no sentido de "traçar uma estratégia articulada de combate ao discurso de ódio" naquela rede social.

Na recomendação emitida em simultâneo, a CICDR considera que a opinião pública é "fortemente influenciada pela informação" veiculada pela comunicação social e "cada vez mais" pelos media digitais, em que se incluem os conteúdos divulgados nos blogues e nas redes sociais.

Conteúdos esses -- prossegue -, que "condicionam fortemente a perceção e interpretação da realidade".

A reunião de hoje visa "estabelecer sinergias" e promover uma reflexão conjunta sobre "o importante papel" da comunicação social na prevenção e combate à discriminação.

A todas as entidades públicas é recomendado que evitem divulgar, em comunicações oficiais, a origem racial, étnica, a cor, nacionalidade, ascendência, território de origem ou situação documental quando estejam em causa ilícitos criminais ou administrativos, salvo em situações em que seja imprescindível essa concretização para denunciar situações de racismo.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de