Incêndio destrói casa de Almeida Garrett no Porto

Dois bombeiros ficaram feridos no combate às chamas e foram transportados para o hospital.

Um incêndio deflagrou esta madrugada no centro histórico da cidade do Porto destruindo a totalidade do interior do prédio onde nasceu o escritor Almeida Garrett.

"O interior do prédio onde viveu o escritor Almeida Garrett [1799-1854] ficou totalmente destruído. Ficaram as fachadas onde se pode ainda ver o brasão principal com o nome do escritor", disse à Lusa o comandante dos Bombeiros Sapadores do Porto, Carlos Marques, acrescentando que "as autoridades competentes já se encontram a investigar a causa do incêndio". O incêndio destruiu a habitação de rés-do-chão com três andares.

O prédio devoluto que ardeu situa-se junto da Cooperativa Árvore e tem duas fachadas, uma que dá para a Rua Doutor Barbosa de Castro, número 37, e de onde se pode ver o brasão principal da casa com o nome do autor da obra Viagens na Minha Terra (1846), e a outra fachada dá para o Passeio das Virtudes, número 26.

O comandante dos Bombeiros Sapadores do Porto explicou ainda que no incêndio, cujo alerta foi dado à 01h56 desta madrugada, ficaram dois bombeiros feridos ligeiros que receberam tratamento no Hospital de Santo António, no Porto, e que já tiveram alta hospitalar.

Às 10h50 o incêndio ainda se encontrava em fase de rescaldo. "Os bombeiros ainda estão no local a efetuar operações de rescaldo e efetuar remoção de escombros", disse fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) do Porto. Ao local deslocaram-se 44 bombeiros, com 13 viaturas, das corporações de Bombeiros dos Sapadores do Porto, Voluntários do Porto e Portuenses do Porto.

Há exatamente um mês, a Câmara do Porto tinha decidido que ia tentar adquirir a casa onde nasceu Almeida Garrett, tendo em vista a futura instalação de um polo do Museu do Liberalismo.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de