Paquetes

Lisboa já foi e Porto está a caminho. Irão os paquetes Funchal e Azores acabar na Turquia?

Levavam pela água o nome de "terras" e agora estão, um por um, a desaparecer.

Já foram símbolos do luxo em alto-mar, foram comprados e remodelados, mas agora parecem ter o caminho traçado. O paquete Porto (ex-Arion) partiu, no final deste domingo, para os sucateiros de Aliaga, na Turquia, onde vai ser desmantelado.

Estava à venda por 3,5 milhões de dólares depois de, há cinco anos, ter sido comprado em conjunto com os paquetes Funchal, Lisboa e Azores, pela Portuscale Cruises.

Deste conjunto de quatro paquetes, um já conheceu o mesmo destino que o Porto está prestes a ter. Em 2015, o Lisboa (ex-Princess Danae) teve o mesmo fim - o do desmantelamento - depois de ser rebocado até à Turquia.

O Porto ainda pareceu estar destinado a ter uma vida mais prolongada: foi o primeiro dos quatro paquetes a receber a nova pintura da Portuscale Cruises após a empresa os ter comprado. A história ficou, no entanto, por aí. Nunca mais navegou com passageiros e esteve mesmo ancorado em vários locais, sendo que o último deles pareceu dar a conhecer o seu fado: o Cais da Matinha, conhecido entre os entusiastas como o "cais da morte" destas embarcações.

Quem também já está neste cais é o paquete Funchal, o mais emblemático dos navios de cruzeiro portugueses. Também ele foi sujeitou a uma remodelação em 2013, mas, desde 2015, só conheceu as águas do Cais da Matinha.

Quanto ao Azores, é esperar para ver. Em 2015, continuava a navegar, fretado a uma empresa estrangeira.

  COMENTÁRIOS