Na floresta ardida, os eucaliptos estão a renascer das cinzas

A TSF percorre esta sexta-feira, das oito da manhã à meia-noite, um país devastado pelos fogos. A reconstrução contra o esquecimento, numa Emissão Especial na antena e no site da TSF.

Na paisagem ardida de Góis, Castanheira de Pera, Pedrógão Grande e Pampilhosa da Serra há tufos verdes entre a terra negra e os troncos queimados.

Os eucaliptos estão a renascer das cinzas, sozinhos, graças a séculos de evolução. Estas árvores adaptaram-se aos incêndios habituais nas suas zonas autóctones - a Austrália e a Tasmânia - e são por isso capazes de se regenerar.

Apesar de os troncos terem ardido nos grandes incêndios deste verão, a raiz dos eucaliptos não morreu, por isso novos rebentos estão a surgir na base do tronco. Dá-se o chamado rebentamento por toiça.

Também as pequenas 'cápsulas', semelhantes a guizos na forma, abrem-se após a passagem das chamas e libertam milhares de sementes, capazes de germinar mesmo em terreno queimado.

Enquanto os pinheiros mortos estão já a ser cortados, empilhados nas bermas da estrada, ao longo dos próximos meses os eucaliptos vão repovoar a floresta sem qualquer ordenamento.

Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande e dois meses depois dos incêndios de outubro, a TSF parte para a estrada e percorre as zonas mais afetadas pelas chamas. Veja aqui todos os trabalhos desta emissão especial.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de