"O português merece mais protagonismo"

São cerca de 4400 os alunos a frequentar aulas oficias de português na Alemanha. Mas o interesse está a aumentar.

O número de interessados em aprender português na Alemanha tem estado a crescer mas Ruth Tobias acredita que a língua ainda não tem o protagonismo que merece: "o português é a sexta língua falada no mundo e acho que ainda não lhe é dado o mesmo valor que a outras línguas (como espanhol)". A diretora do Centro de Línguas da Universidade Livre die Berlim organizou, pela primeira nesta faculdade, um dia de trabalhos dedicado apenas ao português.

Maria Manuela Krühler partilha esta convicção, há mais quem procure saber da língua e isso "deve-se ao crescente interesse por Portugal, mas também pelo Brasil, pela música, pela dança e muito também pelos países africanos de língua oficial portuguesa". A professora de português e de cultura portuguesa da Universidade Livre de Berlim reconhece que a língua "devia estar mais presente nos currículos como lingua estrangeira à semelhança do espanhol, que conseguiu consolidar uma posição muito importante, sendo por vezes mais estudado do que o francês".

Há, nesta altura, 3 mil alunos a aprender português nos ensinos básico e secundário e são mais de 1400 no ensino superior. O número corresponde aos alunos de todos os níveis da rede de Ensino Português no Estrangeiro na Alemanha da responsabilidade do Camões IP. "Penso que é um caminho", sublinha Luís Faro Ramos , "se os números crescem significa que o protagonismo também está a crescer". O presidente do Camões Instituto da Cooperação e da Língua sublinha que o trabalho que tem sido feito está a ser reforçado "através de manifestações como a arte, a música, as artes plásticas, o cinema, toda uma diversidade de manifestações artísticas que nós apoiamos, através dos nossos planos de atividades culturais, que o Ministério da Cultura também apoia, e, na área da promoção da língua, vamos continuar a trabalhar, através dos leitorados que temos, dos protocolos de cooperação que assinámos com instituições do ensino superior, através da integração da língua portuguesa no currículo das escolas públicas dos estados

Continuar a ler