Todos os 236 postos de vigia contra incêndios estão fechados desde 1 de outubro

Calor de outubro e seca não mudaram planos 'desenhados' antes do verão. Contratos a prazo dos vigilantes acabaram com o fim de setembro.

Numa altura de seca severa e extrema em quase todo o país e previsões de tempo quente, o país não tem ativo nenhum dos 236 postos da Rede Nacional de Postos de Vigia.

A informação foi confirmada à TSF pela GNR, que gere estes postos de vigia, sublinhando que cumpriu aquilo que está previsto na Diretiva Operacional Nacional onde se planeiam os meios anuais de combate aos fogos, feita pelo Ministério da Administração Interna e Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC, que remeteu qualquer esclarecimento sobre o assunto para a GNR).

À semelhança de outros anos, explica fonte oficial da GNR, os postos foram encerrados a 1 de outubro com o fim da fase mais crítica de alerta, a chamada fase Charlie, por fim do contrato a prazo com os trabalhadores que asseguravam esta vigilância.

A Diretiva Operacional Nacional prevê que até ao fim de setembro a rede nacional tinha 236 postos ativos em todo o país com a vigilância de 944 elementos (quatro por posto).

No entanto, a partir de outubro os postos ativos e operacionais disponíveis passaram a ser zero, ao contrário do que sucedia, por exemplo, em junho, na fase Bravo, em que estavam ativos 72 postos de vigia com 144 elementos.

Recorde-se que desta rede nacional fazem parte postos de vigia situados em vários dos concelhos mais afetados pelos fogos desde o fim de semana. Nomeadamente quatro em Arganil ou dois em Pampilhosa da Serra.

A suspeita de que estes postos de vigia estariam todos fechados foi levantada pelo presidente da Liga de Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, numa entrevista à TSF.

Ouvido pela TSF, esta terça-feira, Jaime Marta Soares critica a "falta de planeamento" e o "desleixo dos responsáveis da Proteção Civil". "Há que assumir responsabilidades nesta situação", uma vez que "foram atempadamente avisados pelo Instituto de Meteorologia" das condições previstas para o mês de outubro.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de