Justiça

PGR abre inquérito a Barreiras Duarte, secretário-geral do PSD

A Procuradoria-Geral da República remeteu para inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa os elementos que recolheu sobre o caso do currículo do secretário-geral do PSD.

"Na sequência de notícias vindas a público, a Procuradoria-Geral da República procedeu à recolha de elementos. Esses elementos foram encaminhados para o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa com vista a inquérito", revelou a PGR, em resposta à agência Lusa, sem adiantar mais pormenores.

O semanário Sol noticiou no sábado que Feliciano Barreiras Duarte teve de retificar o currículo académico para retirar o item que o indicava como professor convidado (visiting scholar) na Universidade de Berkeley, na Califórnia, Estados Unidos.

No domingo, o novo secretário-geral do PSD, em entrevista ao Diário de Notícias, nunca assumiu que corrigiu o currículo, rejeitou as acusações e passou ao contra-ataque, afirmando que tudo não passou de uma estratégia "para incomodar a direção do PSD em funções".

"Eu rejeito veementemente qualquer tipo de acusação ou insinuação sobre o meu percurso académico", disse ao DN, que escreve, embora sem citar, que o novo secretário-geral social-democrata teve de "retificar a nota biográfica".

O ex-secretário de Estado do executivo de Pedro Passos Coelho sublinhou nunca ter precisado da universidade de Berkeley para o seu percurso académico, insistindo que a notícia visa prejudicar a direção de Rui Rio. "Esta semana realizaram-se almoços entre algumas pessoas que não gostam da atual liderança. Criaram-se factos. E o corolário foi aquilo que o jornal (Sol) publicou", acusou.

Ao DN, Feliciano Barreiras Duarte não comentou a informação sobre a existência de um documento, alegadamente falso, sobre o seu estatuto em Berkeley, aparentemente negado pela professora (Deolinda Adão) cuja assinatura aparece no documento. Sem ser citado, o Diário de Notícias escreve que Feliciano "tem provas de todo o processo, desde o convite por parte da professora Deolinda Adão" ao primeiro convite feito por Manuel Pinto de Abreu.

Também no domingo, o presidente do PSD, Rui Rio, afirmou que o secretário-geral do partido lhe deu a mesma explicação sobre o seu currículo que à comunicação social, dizendo que havia um aspeto "que estava a mais, não era preciso, e corrigiu".

"É inequívoco que ele fez referência a um aspeto do seu currículo que não era preciso e corrigiu, é esta informação que eu tenho e ele deu essa informação à comunicação social", afirmou Rui Rio, questionado sobre este assunto pelos jornalistas no final do Congresso do CDS-PP, que hoje terminou em Lamego (Viseu).

À pergunta se, tal como fez com a vice-presidente do PSD Elina Fraga, vai pedir a Feliciano Barreiras Duarte que dê mais explicações, Rui Rio considerou que o secretário-geral do PSD "já se explicou". "Há um aspeto do seu currículo que estava a mais, não estava preciso, e ele corrigiu", reiterou.

Além de secretário de Estado, Feliciano Barreiras Duarte foi várias vezes deputado eleito por Leiria, chefe de gabinete de Passos Coelho, presidente da Assembleia Municipal do Bombarral e de Óbidos e continua a ser vice-presidente da concelhia do Bombarral.