O princípio do fim de um ditador. Foi há 50 anos que Salazar caiu da cadeira

O líder máximo do país do Estado Novo estava de férias, no Estoril, quando aconteceu a queda que esteve na origem de todas as complicações que levaram ao fim da vida (política e não só) de Salazar.

Estávamos no início do mês de agosto de 1968. Quando acordou, naquela manhã, no seu quarto no Forte de Santo António da Barra, em São João do Estoril - onde, por hábito, passava férias -, Salazar não sabia. Não sabia que aquele dia seria o princípio do seu fim.

Reza a lenda que António de Oliveira Salazar recebera a visita de Augusto Hilário, o seu calista pessoal, que vinha tratar dos pés do Chefe do Governo português.

Como era habitual, Hilário emprestou a Salazar o jornal, para que o pudesse ler, recostado na cadeira, enquanto o calista trabalhava. E no recostar é que esteve o problema.

As versões dividem-se: ou Salazar deixou-se cair com demasiada força e a cadeira de lona tombou; ou então, no alto dos seus 79 anos, não reparou que a cadeira não estava no sítio certo e, ao tentar sentar-se, acabou por cair no chão.

Certo é que Salazar sofreu uma queda, batendo com a cabeça no chão de pedra do terraço do forte.

Tanto o calista como a fiel governanta do líder do Estado Novo, Maria de Jesus, correram a acudi-lo. Lá se levantou, bastante atordoado, mas, sem perder um pingo de orgulho, não quis ser visto por um médico. E mais: fê-los prometer que aquela queda seria mantida em segredo.

Sem sintomas que inspirassem cuidados maiores, Salazar prosseguiu com a sua vida normalmente. Apenas dias mais tarde contou ao médico o que se tinha passado.

Semanas depois, a 19 de agosto, marca presença na cerimónia de posse daquele que seria o seu último governo, mas sente-se mal. No entanto, só mesmo já um mês depois da infame queda é que acaba por reconhecer que não se encontra bem e é hospitalizado a 6 de setembro.

Salazar deixa o Palácio de São Bento durante a noite, de carro, apenas acompanhado pelo seu médico e pelo então diretor da PIDE. É internado, em segredo, no Hospital São José, em Lisboa.

Diagnosticado com um hematoma na cabeça, os médicos decidem operá-lo logo no dia seguinte.

A censura e a saúde do ditador

"O sr. Presidente de Conselho foi operado esta noite de um hematoma, sob anestesia local, encontrando-se bem", dizia simplesmente o boletim clínico divulgado.

A censura tratou de abafar o caso, mas, a 16 de setembro, Salazar desmaia e tem uma nova hemorragia cerebral.

Precisamente dez dias depois, o nome de Marcello Caetano é anunciado para substituir António de Oliveira Salazar no cargo de Presidente do Conselho. O Presidente da República, Américo Tomás, já havia sido informado de que a vida política de Salazar tinha chegado ao fim.

Até ao dia da sua morte (com uma doença infecciosa que lhe causa graves perturbações respiratórias e renais), a 27 de julho de 1970, Salazar nunca chegou a saber que fora substituído.

A sua equipa fê-lo acreditar, até ao último momento, que continuava no poder. Vivia na residência oficial do Chefe de Governo e recebia ministros e embaixadores como se ainda governasse.

Para a história, pouco contada, fica a entrevista que deu a um repórter do jornal francês L'Aurore (que, mais tarde, fundiu-se com o Le Figaro), publicada a 7 de setembro de 1969.

Sob o título "Salazar julga que ainda governa Portugal...", o ex-governante mostrava acreditar verdadeiramente que ainda continuava no poder.

Questionado sobre a figura de Marcello Caetano, já Presidente do Conselho, Salazar dizia que o mesmo fora seu ministro, mas que, de momento, se limitava "a ensinar na universidade".

Embora a entrevista tenha tido eco em vários órgãos da imprensa internacional, a edição do jornal francês nunca foi publicada em Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de