Pedofilia na Igreja: "Ninguém cria uma comissão para estudar os efeitos de um meteorito"

Diocese do Porto é a primeira do país a dizer que não deve criar qualquer comissão para lidar com eventuais casos de abuso sexual de menores.

O bispo do Porto garante que a Igreja Católica está "a mudar tudo" para evitar novos casos de pedofilia, mas admite "que mesmo assim é possível que alguém volte a fazer asneiras".

As palavras de D. Manuel Linda são ditas numa entrevista à TSF, que pode ouvir este domingo, onde o bispo sublinha que "a nossa postura perante este tema mudou radicalmente, não é mais um tema para tratar com amadorismos, é para tratar muito a sério".

O representante máximo do catolicismo na diocese do Porto explica, contudo, que ao contrário do que aconteceu em Lisboa não vai avançar com medidas de controlo da pedofilia, com a participação de tribunais civis, por exemplo, sendo mesmo a primeira diocese do país a dizer que não avançará com uma comissão deste tipo depois do Papa Francisco ter pedido ao clero que denuncie às autoridades todas as suspeitas de crimes sexuais.

D. Manuel Linda justifica-se dizendo que "ninguém cria, por exemplo, uma comissão para estudar os efeitos do impacto de um meteorito na cidade do Porto".

"É possível que caia aqui um meteorito? É. Justifica-se uma comissão dessas? Porventura não", explica o bispo que acrescenta: Se no caso da pedofilia "funcionar como prevenção, formação dos seminaristas e do clero eu vou avançar. Se se destina, como foi divulgado, a recolher as queixas não se justifica pois até agora não tivemos nenhum caso desses, graças a Deus".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados