Sociedade

Consultório solidário trabalha para os doentes com VIH mais idosos, mas não só

Já abriu no Porto um consultório solidário que pretende fazer tratamentos e melhorar a saúde oral de quem foi infetado com o VIH e não tem dinheiro para ir ao dentista. Muitos dos utentes são idosos.

No consultório que a Fundação "A comunidade contra a SIDA" abriu na Praça Carlos Alberto, no Porto, fazem-se tratamentos, mas também próteses dentárias e até análises a outras doenças sexualmente transmissíveis. Os utentes têm direito a tudo de forma gratuita. É um pequeno consultório que não está sempre aberto, pelo que a marcação das consultas tem que ser feita através dos serviços da fundação.

E é tudo fruto de trabalho voluntário. Não só dos médicos e enfermeiros que por ali passam algumas horas, mas também de quem ofereceu a cadeira onde os tratamentos são feitos, ou o material para as próteses.

Filomena Frazão de Aguiar conta que entre as famílias às quais prestam apoio, o doente mais idoso tem mais de 85 anos e só há dez descobriu que era portador da doença. Outros há que só numa fase terminal contaram aos familiares que tinham SIDA.

  COMENTÁRIOS