Saúde

Enfermeiros iniciam greve de quatro dias

A paralisação foi convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses contra o encerramento do processo negocial sobre a carreira e para exigir a "correta contagem dos pontos para todos os profissionais".

A greve geral decorrerá nos turnos da manhã e da tarde nas instituições de saúde do setor público até quinta-feira e será feita por regiões de saúde, disse o presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), José Carlos Martins.

Esta terça-feira, a greve decorre nos hospitais e centros de saúde da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, na terça-feira na ARS do Centro, no dia seguinte na ARS do Norte e na quinta-feira nas regiões do Algarve, Alentejo e Açores.

"É uma greve de todos os enfermeiros para todos os enfermeiros", cujos "objetivos centrais" se prendem com "duas grandes questões": a correta contabilização dos pontos para efeitos de descongelamento das progressões e o encerramento da negociação da carreira por parte do Ministério da Saúde, explicou José Carlos Martins.

Apesar de estar marcada uma reunião de negociação suplementar para o dia 30 de janeiro, o SEP decidiu manter a greve por considerar que as propostas apresentadas pelo Ministério da Saúde "estão muito longe daquilo que são as justas reivindicações dos enfermeiros", sublinhou.

"Nós continuamos a exigir, a pugnar e a lutar" para que seja contabilizado todo o percurso dos enfermeiros que foram reposicionados nos 1.200 euros, para que "não sejam penalizados duas vezes", vincou.

Assim, os enfermeiros reclamam "a justa e correta contagem de pontos para todos os enfermeiros independentemente do vínculo contratual" e que "o Governo cumpra o que assumiu quando se propôs" negociar a carreira, "isto é, a sua valorização e dignificação", refere o SEP.

Esta greve não está relacionada com a greve dos enfermeiros em blocos operatórios, convocada pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), que está suspensa até 30 de janeiro, dia em que haverá uma nova reunião negocial entre os sindicatos e o Governo.

  COMENTÁRIOS