Mudança da hora

Prepare-se, vai estar em jet lag pelo menos até terça-feira

Quando acordar este domingo, há vários "relógios" no seu corpo que vão estar baralhados e a culpa é da mudança da hora para a chamada hora de inverno.

Os ponteiros dos relógios andaram uma hora para trás na última madrugada e isso obriga a um acerto do nosso relógio biológico que vai demorar pelo menos dois dias, ou seja, até terça-feira o nosso organismo vai andar numa espécie de jet lag.

Em entrevista à TSF, Ângela Relógio, investigadora na Charité- Universidade de Medicina de Berlim, explica que com a menor intensidade da luz no inverno, o relógio central no cérebro, que até se adapta rapidamente, precisa de tempo para enviar sinais e acertar a hora nos "relógios" que existem em todas as nossas células.

A equipa desta investigadora portuguesa tem estudado a maneira como o relógio interno controla os mecanismos tumorais e como a alteração dos ciclos circadianos (os ciclos diários que controlam as funções biológicas) pode ser nefasta para a saúde.

Ângela Relógio, lamenta que não se "ouça" com toda a atenção este nosso relógio, até porque é algo que todos sentimos mas não damos a devida importância.

Por exemplo, se um adolescente teima em não se levantar cedo à semana para ir para a escola, a investigadora esclarece que não estamos perante um caso clássico de preguiça. Estamos sim, adianta, perante um relógio biológico programado para, nestas idades, despertar mais tarde e a Escola devia dar uma ajuda: ou devia começar as aulas mais tarde ou devia usar luzes mais fortes para estimular o acerto do relógio interno dos adolescentes.

A diferença horária entre a hora a que acordam à semana e ao fim de semana coloca os adolescentes numa espécie de viagem por vários fusos horários, sempre em jet lag.

Nesta entrevista à TSF, a partir de Berlim, Ângela Relógio admite que é apenas uma coincidência, divertida, o facto da investigadora com o nome Relógio ter como tema de estudo o relógio biológico.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

  COMENTÁRIOS