PSP e GNR são cada vez menos e cada vez mais velhos

Relatório sobre recursos humanos do Ministério da Administração Interna revela que PSP e GNR estão cada vez mais longe de completar o mapa de pessoal previsto na lei.

O Ministério da Administração Interna (MAI) perdeu em 2017 cerca de 900 funcionários em relação ao ano anterior. A maior quebra foi nas forças de segurança, com menos 727 agentes na PSP e menos 213 militares na GNR.

O Balanço Social Consolidado do MAI, que traça o planeamento e gestão de recursos humanos do ministério, lido pela TSF, recorda que as forças de segurança deveriam contar com 46.470 efetivos, mas têm apenas 44.008 elementos. Feitas as contas, PSP e GNR têm menos 2.462 agentes e militares (-5,3%) dos aprovados para os respetivos mapas de pessoal.

Além da falta de recursos humanos, o relatório alerta para o envelhecimento estrutural das forças de segurança. A pirâmide etária revela que 38% tem mais de 45 anos e que o grupo dos que já atingiram ou estão prestes a completar 55 anos é preocupante.

Ouvida pela TSF, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP) garante que a situação tem vindo a piorar e o presidente, Paulo Rodrigues, não prevê melhoras até meados do próximo ano.

"Em 2017 já o cenário era mau, em 2018 agravou e em 2019 vai agravar ainda mais. Os únicos elementos anunciados pelo Governo que iriam ser recrutados para a PSP [são 600 elementos que foram aprovados], ainda vão ter de fazer provas para admissão, fazer o curso e só teremos pessoal a desempenhar trabalho efetivo na policia lá para o segundo semestre de 2020", explica o presidente da ASPP.

Paulo Rodrigues lamenta ainda que o envelhecimento da PSP seja consecutivamente desvalorizado pelo Governo e alerta que o problema começa a pôr em causa a capacidade de resposta da policia: "Efetivamente põe em causa aquilo que é a dinâmica da própria instituição. Há comandos no interior do país em que a media de idades já ultrapassa os 50 anos. O que quer dizer que, a própria capacidade nas ocorrências mais exigentes começa a ficar em causa e já estamos a falar daquilo que é a segurança das pessoas."

Também a Associação dos Profissionais da Guarda (APG) admite que a falta de profissionais está a condicionar o trabalho da GNR no terreno.

"Há falta de efetivos para responder a todas as situações que vão ocorrendo e o chamado policiamento de proximidade, salvo raras exceções, não acontece", garante César Nogueira da APG.

O presidente da associação lamenta ainda que as vagas dos concursos para a admissão de guardas sejam cada vez mais reduzidas: "Não tem dado para colmatar as saídas para a situação de reserva e reforma. Ao entrarem só cerca de 300 [elementos], quando os concursos em 1998 até 2000 rondavam as mil admissões por ano, obviamente que a GNR e a PSP vão ficando cada vez mais envelhecidas."

Contactado pela TSF, o MAI lembrou que, este ano, estão previstos dois concursos para a admissão de agentes e militares, cujos despachos foram publicados esta semana em Diário da República. No caso da PSP, o concurso prevê o preenchimento de 600 vagas, em relação à GNR está previsto o preenchimento de 400 lugares no Curso de Formação de Guardas.

Um reforço de 1.200 efetivos que fica, ainda assim, aquém dos 2.500 elementos em falta nas forças de segurança.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de