Lesados seguem campanha do PS... mas de longe

Depois de o incidente com um grupo de lesados do BES/Novo Banco ter obrigado à intervenção das autoridades, numa ação de campanha em Coimbra, a segurança em redor de António Costa ficou mais apertada. Ao almoço, em Viana do Castelo, alguns dos lesados que tinham tentado chegar junto do secretário-geral do PS durante o dia de ontem voltaram a tentar a sua sorte. Desta vez, não houve empurrões, até porque a PSP tratou de deixá-los bem distantes da comitiva socialista. Assim, foram poucos os que deram pela presença de mais um protesto que, garantem os lesados, não será o último.

CDS "a vender o próprio peixinho"

Ora nas feiras, ora nos mercados, Nuno Melo distribui panfletos e canetas do CDS e vai dizendo que "não são cheques, somos nós a vender o nosso peixinho". O candidato que se diz "homem de fé", prefere não se entregar nas mãos da providência divina e, no mercado de Ovar, percorreu uma a uma as bancas de frutas e legumes frescos e as tendas, ora chocando com os cabides de soutiens, ora comentando a qualidade do têxtil na lingerie masculina. Na derradeira semana de campanha há que suar a camisa, até porque para "o 25 novembro ganhar o 11 de março" não basta criticar comunistas e bloquistas. Há que fazer pela vida... e pelo negócio.