Incêndios

"É importante que haja um cabal esclarecimento", António Costa

O primeiro-ministro anunciou apoio a comissão técnica do PSD e encomendou um estudo para perceber o que se passou em Pedrogão.

Briefing após Conselho de Ministros, António Costa

- Total abertura do Governo para apoiar Comissão Técnica do PSD: "É essencial apurar tudo o que aconteceu, as suas causas e consequências".

- Fundo de apoio a revitalização com gestão tripartida, Segurança Social, representante municípios e associações humanitárias dos 3 concelhos: Pedrógão, Góis e Figueiró dos Vinhos.

- PM aguarda reposta da Proteção Civil sobre operações.

- MAI pede estudo sobre as condições específicas deste incêndio, que levará a um inquérito final: "É importante que haja um cabal esclarecimento"

- "Pais revelou uma extraordinária capacidade de mobilização e solidariedade"

- 43 vitimas identificadas pelo Instituto Nacional de Medicina Legal.

- Fundo de Solidariedade da UE pode ser ativado.

- Primeiro-ministro agradeceu a todos os bombeiros, GNR, INEM, Hospitais, PJ, Instituto Nacional de Medicina Legal, Segurança Social, Escolas, Autarcas e todos os que se envolveram.

Pampilhosa da Serra: "Espero que as promessas se concretizem"

Presidente da Câmara de Pampilhosa da Serra comunicou às pessoas retiradas das aldeias que era tempo de voltar a casa, o incêndio estava extinto. O burburinho cresceu, os sorrisos ganharam elasticidade. Tantas horas depois, o regresso a casa.

Reacendimentos são a preocupação dos bombeiros; sobe para 254 número de feridos nos incêndios de Góis e Pedrógão Grande

A noite entre quarta-feira e hoje foi de acalmia na zona afetada pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, mas é difícil prever a extinção do fogo, disse esta manhã o comandante operacional responsável pelas operações, António Ribeiro. "Este é um trabalho continuado. As causas dos reacendimentos são várias", disse.

Já em relação ao número de vítimas, a atualização feita hoje aponta para 254 feridos nos dois fogos que deflagraram no sábado em Pedrógão Grande e em Góis.

Fogo de Góis dominado

O fogo que desde sábado lavra em Góis, no distrito de Coimbra, foi dado como dominado esta quinta-feira às 07:41, informou o comandante operacional, Carlos Tavares. Num balanço feito às 8h desta quinta-feira, Carlos Tavares indicou, no entanto, que é previsível que surjam alguns reacendimentos, até porque as temperaturas continua elevadas e o tempo permanece seco.

Ministra da Administração Interna admite falhas nas comunicações

A Ministra da Administração Interna admite que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) esteve "intermitente" durante uma fase do fogo de Pedrógão Grande.

Numa entrevista à RTP3, a Ministra da Administração Interna explicou: "a informação preliminar que tenho, mas foi pedido um relatório circunstanciado, que amanhã (quinta-feira) estará concluído, é que não houve uma falha total. Houve intermitências porque a fibra ótica foi destruída pelo incêndio mas foram colocadas às 20h00 redes móveis satélite para assegurar a rede SIRESP".

Marcelo elogia "sentido de unidade nacional" em torno do incêndio

O Presidente da República elogiou, em Castanheira de Pera, o "sentido de unidade nacional" que existe em torno do incêndio que lavra na região desde sábado.

"Há aqui um sentido de unidade nacional e de homenagem nacional que raras vezes se tem visto na história do país e que ultrapassa as divisões, as dissensões, divergências. Isso é a nossa força como pátria. Sentimos que nos momentos cruciais nos mantivemos com uma pátria forte", disse Marcelo Rebelo de Sousa à chegada ao funeral do bombeiro Gonçalo Conceição, referindo-se à presença dos líderes dos partidos com assento parlamentar, do presidente da Assembleia da República, de vários governantes e de deputados eleitos pela região de todos os partidos.

Duas frentes de fogo mais preocupantes no concelho de Góis, uma mais direcionada para Pampilhosa da Serra e outra para Arganil. Os reacendimentos estão a centrar a atenção das equipas no terreno.

Incêndio dominado no concelho de Pedrogão

Está dominado o Incêndio de Pedrogão Grande, num perímetro de 153 km. Informação dada pelo Comandante da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto. Dispositivo no terreno vai manter-se. Não há redução de meios para já.

Levantamento de prejuízos no prazo de 10 dias

"Um dos passos que foi dado hoje e que é dado em cada um dos municípios [Pedrogão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera] é a constituição de equipas entre o Governo (...) e as câmaras, uma equipa em cada concelho, para fazer no prazo máximo de dez dias, até ao final da próxima semana, o levantamento completo dos prejuízos e as medidas concretas para adotar no terreno", afirmou o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

Governo cria fundo financeiro

O ministro do Planeamento disse hoje que vai ser criado um fundo financeiro a partir da solidariedade dos portugueses para apoiar a reconstrução das habitações e da vida das pessoas afetadas pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande. "Amanhã [quinta-feira], em Conselho de Ministros, já faremos a aprovação da constituição desse fundo e já acordámos com Pedrógão Grande e com os outros municípios" (Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra), afirmou o ministro do Planeamento e das Intraestruturas, Pedro Marques, em frente aos Paços do Concelho de Pedrógão Grande.

Quatro aldeias a salvo

Habitantes de quatro aldeias do concelho de Góis que tinham sido evacuadas devido ao incêndio que lavra desde sábado regressaram ao início da tarde de hoje às suas casas, informou o comandante das operações de socorro, Carlos Tavares.

Avisos meteorológicos de sábado não falavam em trovoada e vento forte
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera não emitiu para sábado qualquer aviso meteorológico, para nenhum distrito do país, de trovoada ou vento forte que segundo as autoridades estiveram na origem e propagação do incêndio de Pedrógão Grande.

Incêndio de Góis perde força

Há duas frentes ativas, os bombeiros contam com reativações à conta do aumento da temperatura e do vento. Carlos Tavares, do Comando Nacional de Proteção Civil diz está a contar com a entrada de humidade, por volta das 18h, 19h e que o incêndio ficará dominado "o mais rápido possível".

Proteção Civil recusa falha de comunicação na suposta queda de aeronave

O comandante operacional da Proteção Civil, Vaz Pinto realçou que foi cumprido o protocolo para estas situações. "Não houve nenhuma falha de comunicação. Houve um alerta para queda de aeronave e foi cumprido o protocolo para estas situações", disse Vítor Vaz Pinto no primeiro 'briefing' do dia aos jornalistas no posto de comando instalado em Avelar, no concelho de Ansião, em Leiria.

Góis: Três das cinco frentes extintas

"A situação é muito mais favorável do que aquela que tivemos ontem (terça-feira) à tarde e que tivemos também durante a noite. Temos duas frentes ativas ainda, que estão a ceder aos meios de uma forma considerável", explicou o adjunto do Comando Nacional de Bombeiros, Pedro Nunes, num balanço pouco depois das 9h.

Número de feridos sobre para 204, 179 de Pedrogão e 25 em Góis

A lista de pessoas feridas nos incêndios de Pedrogão e Góis continua a aumentar. Há 204 feridos registados, 179 no incêndio que começou em Pedrogão e 25 em Góis. Números divulgados no briefing desta manhã.

95% do fogo de Pedrogão dominado

O incêndio em Pedrogão está 95% dominado. Há ainda alguns "pontos quentes" em Porto-Espinho, Coentral e Camelo. No terreno estão cerca de 2300 bombeiros, apoiados por 800 viaturas e 17 meios aéreos. A visibilidade está, no entanto, a dificultar o combate via Canadair.

"A Guarda Republicana informou-me que sim, que a via estava fechada."

Na terça-feira, em entrevista à TSF, Jorge Gomes, o secretário de Estado da Administração Pública, disse taxativamente que estava encerrada. "Uma das primeiras perguntas que fiz à Guarda Republicana foi se a via estava fechada. A Guarda Republicana informou-me que sim, que a via estava fechada."

Reportagem TSF: O senhor três horas e a esperança de dormir melhor amanhã

Já passavam das onze da noite de terça-feira quando regressou ao posto de comando, em Góis. A saída do carro, pesada e lenta, denunciava fadiga. As olheiras, gritavam-na. Jorge Gomes, secretário de Estado da Administração Interna, até há pouco um desconhecido para a maioria dos portugueses, passou a ser o rosto das notícias graves sobre os incêndios no distrito de Coimbra.

Meteorologistas falam de "mistério" e "enigma" em Pedrógão Grande
Presidente do IPMA diz que é preciso reanalisar todos os dados e "podem existir conclusões que hoje nos parecem óbvias que daqui a uns dias não serão certas..."

Primeiro-ministro sobre EN 236

O Primeiro-Ministro adiantou, em entrevista à TVI, que a GNR já lhe comunicou as circunstâncias em que se propagou o fogo, na estrada nacional 236-1, entre Castanheira de Pera e Pedrógão Grande, no último sábado.

António Costa diz que a explicação de que o fogo terá atingido a estrada de forma "inusitada e repentina" é "consonante" com a descrição feita tanto pelos responsáveis no terreno como pelos populares que assistiram.

O Primeiro-Ministro garante ainda que, até ao momento, não lhe chegou qualquer evidência de que houve falhas no combate aos incêndios, que já vitimaram 64 pessoas.

António Costa disse que, até todas as circunstâncias ficarem apuradas, mantém "a confiança na cadeia de comando" e na Ministra da Administração Interna.

"Não caiu nenhuma aeronave ao serviço da Proteção Civil"

Proteção Civil diz que "não tem conhecimento da queda de nenhum avião". Vítor Vaz Pinto explicou, esta tarde, que "havia uma rulote abandonada, com garrafas de gás. O barulho pode ter sido gerado pelo rebentamento de uma botija, explicou a Proteção Civil. "Há também a queda de postos de alta tensão naquela zona".

Sobre a notícia da eventual queda de um Canadair, Jorge Gomes diz que todas as aeronaves ao serviço da Proteção Civil estão a voar.

Reportagem TSF: "Isto é o diabo"

Está a trovejar e começaram a cair algumas gotas de água na zona de Góis, contou a repórter TSF Dora Pires. Há também indicação de o fogo terá chegado ao posto de comando de Góis. "Isto é o diabo!" disse um bombeiro ao repórter da TSF, Miguel Midões.

Minuto de Silêncio esta quarta-feira, às 13h

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, apelou hoje à consagração de um minuto de silêncio nacional na quarta-feira às 13h, em memória das vítimas dos incêndios, concentrando-se os deputados nas escadarias do parlamento. "É uma forma de os portugueses que se querem associar e que querem demonstrar a sua coesão neste momento de grande consternação, de grande dor, puderem manifestar-se", afirmou o presidente do parlamento, referindo que os deputados se concentrarão nas escadarias da Assembleia.

27 aldeias evacuadas em Góis

A situação em Góis é nesta altura a mais preocupante. Há 27 aldeias evacuadas e as chamas continuam a avançar. Ao todo foram retiradas de casa cerca de 100 pessoas. Espanha vai enviar 80 bombeiros para ajudar no combate a este incêndio.

Meios reforçados em Pedrógão

Foram reforçados os meios aéreos no incêndio de Pedrógão. Nove aviões foram direcionados de Góis para esta zona, para o ponto mais preocupante de Pedrógão. Por isso, o incêndio não pode ser dado como dominado, tal como chegou a ser falado pelas autoridades.

Ao todo 17 aviões combatem o fogo em Góis e Pedrógão. 85% ou mais do perímetro em ações de rescaldo, estão a ocorrer diversas reativações.

O número de feridos subiu para 160, 41 pessoas foram retiradas de casa e foram registadas 409 ações de apoio psicológico. Dados avançados pelo Comandante Vítor Vaz Pinto, da Proteção Civil.

A estrada 543 que liga Góis está condicionada. A GNR está apenas a permitir a saída das aldeias, não há circulação no sentido oposto.

Estradas e acessos condicionados

A13 e outras quatro estradas cortadas nos distritos de Leiria e Coimbra. Ver aqui toda a informação.

Aldeias evacuadas

Foi retirada de casa a população de pelo menos quatro aldeias do concelho de Góis devido ao avanço das chamas. Em Cabreira, foram obrigados a sair de um lar mais de 50 idosos. Pelo menos mais cinco aldeias estão de prevenção. Em Cadafaz, de onde foram retiradas 30 pessoas estava a repórter Dora Pires. Conta que as chamas estão cada vez mais próximas da aldeia.

O vice-presidente da Câmara de Góis, Mário Garcia, disse à TSF que a situação é catastrófica.

O combate ao incêndio que começou no sábado em Pedrógão Grande continua a evoluir favoravelmente e o fogo pode ficar dominado até ao final da manhã, disse esta terça-feira o comandante operacional da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto, no balanço feito às 09h00.

Esta possibilidade está dependente da eliminação de "um dos pontos quentes" do incêndio que ainda subsistem, acrescentou no primeiro balanço do dia.

O número de feridos foi também revisto para 157, sete dos quais estão em estado grave incluindo uma criança, quatro bombeiros e dois civis. Há 38 pessoas evacuadas e 403 pessoas assistidas pela unidade móvel de intervenção psicológica em urgência. O número de mortos permanece nos 64, incluindo um bombeiro.

Já foram identificados mais de metade dos corpos

O Ministério da Administração Interna informou, esta terça-feira de madrugada, que já foram identificados mais de metade dos corpos das 64 vítimas mortais do incêndio de Pedrógão Grande.

"Já estão a realizar-se há várias horas as autópsias médico-legais, que vão continuar a ser feitas durante toda a noite. O processo não para", disse à agência Lusa fonte do Ministério da Administração Interna, não revelando o número concreto de corpos já identificados.

As autópsias médico-legais decorrem no Instituto Nacional de Medicina Legal de Coimbra, para onde foram os 64 corpos resultantes do incêndio de grandes dimensões que começou este sábado, no interior norte do distrito de Leiria.

Marcelo está otimista

Em declarações à TSF, o Presidente da República afirmou na noite desta segunda-feira que há sinais de uma evolução favorável do incêndio.

Número de feridos mantém-se

O presidente do INEM disse na tarde desta segunda-feira que o incêndio em Pedrógão Grande causou até ao momento 135 feridos, entre os quais 121 civis, 13 bombeiros e um militar da GNR. Segundo Luís Meira, dos 135 feridos, sete estão em estado grave: cinco bombeiros voluntários e dois civis.

Vítimas identificadas

Há um número 800 246 246 para informação sobre as vítimas e estradas cortadas. O briefing mais recente dá ainda conta de dificuldades de combate ao fogo em alguns locais por falta de acesso.

Os repórteres TSF no local contam que a visibilidade é muito reduzida.

Reportagem TSF: As últimas horas em Arega
Como foram as últimas horas em Arega, a cerca de 15 km de Avelar, onde o fogo ainda continua ativo, após reacender.

Começou a chover em Pedrógão Grande

Pouco antes das 9h da manhã desta segunda-feira, começou a chover, em Avelar, na zona de Ansião, onde está instalado o centro de comando de combate ao fogo. A chuva foi recebida com alegria por parte dos bombeiros e população nesta zona ainda afetada pelas chamas dos incêndios que lavram

Segurança Social está a "identificar necessidades de pessoas que perderam os seus bens".

Técnicos da Segurança Social estão em cinco localidades estão a fazer a sinalização e identificar as dificuldades das pessoas "que perderam os seus bens e precisam nesta altura de um sítio onde pernoitar". A secretária de Estado da Segurança Social explicou, na Manhã TSF, que "a principal preocupação tem sido encontrar resposta imediata para dormida e necessidades básicas, alimentação". Cláudia Joaquim acrescentou ainda que os técnicos contam "com o apoio dos carteiros dos CTT" que conhecem bem a zona. O atendimento na linha 144 foi reforçado. Cláudia Joaquim explica que esta linha é essencial para as pessoas que precisem diretamente de ajuda, de apoio". Não deve ser utilizada, por exemplo, para procura de familiares.

GNR e os planos de evacuação

Na Manhã TSF, a GNR contou como tem sido retirar as pessoas de casa. O Major Bruno Marques sublinha que entende "que seja difícil, mas o importante é salvaguardar a vida humana". A GNR tem convencido as pessoas em risco através de conversa, não houve nenhum caso mais complicado. A Guarda Nacional Republicana é responsável pelo plano de evacuação, mas o Major Bruno Marques explica que também outras entidades podem retirar as pessoas de casa.

Reportagem TSF: "Sei lá como é que a gente se safa... é na miséria"
Na freguesia de Vila Facaia fica o lugar de Barraca da Boavista. A escassos metros deste lugarejo do concelho de Pedrógão Grande passa Estrada Nacional 236-1 que, na madrugada de sábado para domingo, ficou coberta pelas chamas que encurralaram e vitimaram várias pessoas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

  COMENTÁRIOS