Liga dos Campeões

San Iker é milagroso, mas não pode fazer tudo. Derrota não apaga chama dos dragões

Veja os golos. Dragões visitaram a capital italiana na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões e perderam por 2-1.

PUB

A passagem do FC Porto aos quartos-de-final da Liga dos Campeões não se construiu num dia, mas também não se destruiu por completo. O FC Porto perdeu esta noite em Roma por 2-1, mas o golo fora pode vir a revelar-se essencial nas intenções portistas. Zaniolo bisou para os romanos, Adrián marcou o único golo dos portistas.

Ainda o jogo não tinha começado e, nas bancadas, já os adeptos portistas demonstravam que não estavam ali para brincar: havia dois tipos de azuis nas camisolas presentes nas bancadas, o do FC Porto... e o da Lazio. Aliás, o nome de Di Canio era uma das bandeiras das provocações portistas, que escolheram apoiar o eterno rival da Roma como forma de responder ao desafio.

Ainda assim, foram os homens da casa quem entrou melhor. Primeiro por El Shaarawy e depois por Kolarov, os romanos foram tirando cruzamentos. O corredor direito da defesa portista precisava de acertar o posicionamento. Foi sobretudo Otávio quem teve dificuldades em controlar as subidas de Kolarov, deixando Militão a defender dois homens por mais ocasiões do que as que seriam desejáveis.

Foi do corredor esquerdo do FC Porto que chegou a ocasião mais perigosa a favor dos romanos. Brahimi recuou até à grande área portista para acompanhar um contra-ataque italiano, desentendeu-se com Casillas e acabou por cortar um cruzamento de uma forma que fez a bola passar perigosamente perto do poste da baliza. Casillas não gostou e Brahimi pediu desculpa, admitindo que aquele não é o seu terreno de eleição.

Acertadas as marcações lá atrás, o FC Porto parecia encontrar um novo problema na frente. Habituada a lançar os seus ataques pelas alas, a equipa portista estranhou quando os italianos lhe deram todo o espaço central para atacar. Retrato disso é o momento em que Brahimi, aos 19 minutos, rodopiou várias vezes sobre si próprio, sozinho e sem pressão já dentro do meio campo defensivo romano, como que à procura de uma solução que não soube encontrar.

Tanto não soube que foi precisamente a partir de um dos corredores que surgiu uma oportunidade de golo para os portistas. Fazio falha um corte e coloca a bola nos pés de Otávio. O brasileiro avançou de imediato para a área e entregou ao compatriota Fernando Andrade. À meia-volta, o ponta de lança rematou sem potência e para as mãos de Mirante.

Nas bancadas acabava por encontrar-se mais ação do que em campo. À passagem da meia hora de jogo, os tiffosi romanos deram seguimento à pequena guerra que travam com Kolarov. "Bastardo Kolarov" lia-se numa tarja erguida pelos adeptos giallorossi, numa alusão à passagem do sérvio pela Lazio, entre 2007 e 2010. Os italianos não esquecem.

Aos 37 minutos foi altura de Casillas mostrar o porquê de ainda manter o título de San Iker. O guarda-redes espanhol evitou aquele que seria o primeiro golo romano, da autoria de Dzeko, num remate à queima-roupa que conseguiu desviar para o poste. San Iker su Roma: numa cidade com cerca de 900 igrejas, porque não? O intervalo chegou e, com ele, trouxe tempo para que ambas as equipas pudessem pensar na questão.

A segunda parte trouxe um FC Porto de cara lavada e a chegar com muito mais perigo à baliza de Mirante. A primeira grande oportunidade surgiu aos 55 minutos quando Danilo, na sequência de um canto batido por Alex Telles, fez a bola rasar o poste.

Dez minutos depois, o projeto da igreja para San Iker deve ter passado para o papel, dado que o espanhol foi à relva para, novamente, evitar o primeiro golo dos italianos. Desta vez foi Pellegrini quem obrigou o guarda-redes a aplicar-se a fundo. No meio-campo, Brahimi era visitado pelo azar e sentou-se com ele no relvado, a pedir substituição. Adrián rendeu-o.

O azar ficou, no entanto, no relvado. Aos 68 minutos, o rapaz de quem se fala em Itália, Zaniolo, marcou o primeiro golo no Stadio Olimpico. O jovem de 19 anos recebeu uma bola de Dzeko, tirou Alex Telles do caminho e ramatou cruzado para o fundo das redes defendidas por Casillas. Em Roma, venciam os romanos.

Zaniolo não estava satisfeito. O jovem italiano quis justificar as palavras do compatriota Pellegrini e, aos 70 minutos, marcou o segundo na partida. Dzeko tinha aparecido solto no centro do ataque e disparou ao poste da baliza de Casillas. Caprichosamente, o esférico ressaltou na direção do pé esquerdo da jovem estrela romana. Nem San Iker valeu ao FC Porto.

Quem valeu aos dragões foi um espanhol que começa a ser, cada vez mais, um trunfo. Felipe bombeia a bola para a frente de ataque e Adrián, embora não a consiga receber, acaba por desmontar a defensiva romana. Soares tenta um remate de primeira que falha por completo, acabando por picar a bola por cima de toda a defesa italiana. O esférico sobra para o espanhol que finaliza, reduzindo a desvantagem portista aos 79' e marcando um golo fora que pode vir a revelar-se muito importante.

Não terá sido esta a resposta que Sérgio Conceição imaginara quando disse que o FC Porto iria demonstrar em campo que é uma equipa de "topo mundial." Ainda assim, o golo solitário de Adrián fez descer à terra os romanos que, com demasiada facilidade, se deixaram voar com os dois golos de Zaniolo. A eliminatória está no "intervalo" e agora cabe à Roma tentar marcar no Porto.

Zaniolo marcou o primeiro da partida aos 70'.

Zaniolo bisou aos 76'.

Adrián López reduziu aos 79'.

Onze da AS Roma: Mirante, Florenzi, Manolas, Fazio e Kolarov; Cristante, De Rossi, Pellegrini; Zaniolo, Dzeko e El Shaarawy.

Onze do FC Porto: Casillas; Militão, Pepe, Felipe e Alex Telles; Otávio, Herrera, Danilo e Brahimi; Fernando Andrade e Soares.

Na equipa romana, destaca para a titularidade de Zaniolo, jovem de 19 anos que tem estado em grande nível no futebol italiano e é considerado uma das maiores promessas transalpinas.

Suplentes da Roma: Olsen, Juan Jesus, Marcano, Santon, Pastore, Kluivert e N'Zonzi.

Suplentes do FC Porto: Vaná, Maxi Pereira, Bruno Costa, Óliver, Hernâni, André Pereira e Adrián Lopez.

Marega (lesionado) e Corona (castigado) estão indisponíveis para esta partida.

No lançamento desta partida, João Nuno Coelho já traçou o perfil das equipas que entram esta noite na arena: de um lado os gladiadores romanos, do outro os portugueses "espicaçados".

O holandês Danny Makkeli vai apitar a partida e vai ser assistido por Mario Diks e Hessel Steegstra. Kevin Blom é o qaurto árbitro. No VAR vai estar Pol van Boekel e no AVAR Kamphuis Jochem.

Esta terça-feira, a motivação podia até estar nos píncaros: Pellegrini cometeu aquilo que pode vir a ser um erro ao dizer que o FC Porto "não é uma equipa de topo europeu." Sérgio Conceição não demorou muito a responder que "de facto não é. É de topo mundial", prometendo que o resto da resposta seria dada em campo.

  COMENTÁRIOS