Caso Marega. Porto Editora corrige manual de Filosofia e pede desculpa

A editora considera que o caso Marega é um bom e pertinente exemplo, mas reconhece que a alusão aos adeptos do Vitória de Guimarães é errada.

A Porto Editora vai retirar a referência ao Vitória de Guimarães dos manuais escolares de Filosofia do 10.º ano. Em comunicado, a editora pede desculpa pelo erro, mas mantém o exemplo dos insultos racistas ao jogador Marega no livro escolar.

Segundo a Porto Editora, o caso Marega é um bom e pertinente exemplo, mas reconhece que está errado fazer-se alusão aos adeptos do Vitória. Até porque a justiça absolveu o clube das acusações de insultos racistas.

Os vitorianos já tinham escrito, em comunicado, que o "manual potencia a criação de um estigma injustificado sobre milhares de adeptos" de Guimarães. No entanto, a Porto Editora não concorda e explicou à TSF que é feita referência ao caso para abordar a "subjetividade moral do tema" e "levar os alunos à reflexão crítica".

Ainda assim, a editora pediu desculpa ao emblema de Guimarães em comunicado e garantiu que vai fazer alterações nos livros que ainda não foram impressos. As novas versões vão referir-se a espectadores de futebol no geral, sem mencionar os adeptos do Vitória de Guimarães.

O caso Marega aconteceu em fevereiro de 2020, quando o ex-avançado do FC Porto abandonou o terreno de jogo do Estádio D. Afonso Henriques após insultos racistas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de