Ataques aéreos russos a terminais de petróleo na região de Kiev

De acordo com as autoridades locais, há cidades sem fornecimento de água e eletricidade.

Ataques aéreos do exército russo nas últimas horas incendiaram um terminal de petróleo na cidade de Vasilkiv, na região de Kiev, enquanto outras cidades continuam sem fornecimento de água e eletricidade, de acordo com autoridades locais.

"Um depósito de petróleo está em chamas em Vasilkiv após um ataque aéreo. Na aldeia de Kriachky, o ocupante (russo) disparou contra o depósito de petróleo durante a noite", disse Oleksiy Kuleba, administrador regional de Kiev, na sua conta na rede social Telegram.

De acordo com a agência ucraniana Ukrinform, "anteriormente, um armazém de produtos congelados ardeu na aldeia de Kvitneve, distrito de Brovary, também na região de Kiev, após bombardeio inimigo".

Chernigov, a norte de Kiev, também está sob ataque do exército russo e continua sem abastecimento de água, de eletricidade e de gás, que poderia alimentar os sistemas de aquecimento, anunciou o administrador regional da cidade, Viacheslav Chaus, na sua conta no Facebook.

"O inimigo continua os seus ataques aéreos e com mísseis. Pessoas pacíficas estão a morrer. Ontem [sexta-feira], uma bomba caiu sobre o Hotel Ucrânia. Não há mais hotel, mas a Ucrânia prevalece e continua a sua luta", disse Chaus.

"A nossa missão é garantir que [o Presidente russo Vladimir] Putin, uma criatura doente e pervertida, engula veneno no seu bunker nos Urais", enfatizou.

O responsável confirmou que "agora não há eletricidade em Chernigov e quase não há fornecimento de gás, água e aquecimento".

"Estamos a restaurar os sistemas, mas o inimigo continua a interromper os nossos esforços. Mantemos a compostura e fazemos todo o possível para destruir o inimigo perto de Chernigov", disse, salientando esperar restaurar os serviços durante o dia de hoje.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 549 mortos e mais de 950 feridos entre a população civil e provocou a fuga de 4,5 milhões de pessoas, entre as quais 2,5 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de