Conflito em Gaza. Biden apoia o "direito legítimo de Israel a defender-se"

Pelo menos 35 pessoas foram mortas nos ataques israelitas em Gaza e 230 ficaram feridas, de acordo com as autoridades locais.

O Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, mantém o "apoio ao direito legítimo de Israel de se defender" e condena os ataques de 'rockets' do movimento Hamas contra cidades israelitas, informou a Casa Branca.

Perante a escalada de tensão entre israelitas e palestinianos, "o Presidente (Biden) não cederá ao apoio à segurança de Israel e ao seu legítimo direito de se defender", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em conferência de imprensa na tarde de terça-feira em Washington (noite em Lisboa).

Psaki acrescentou que Joe Biden e a sua equipa continuarão a procurar soluções diplomáticas para a diminuição do conflito e a proteção de civis, quando continuam os ataques de 'rockets' por parte do movimento islamita Hamas e Israel responde com 'raids' aéreos contra forças palestinianas, em confrontos que duram desde o fim de semana.

Também o antigo Presidente norte-americano Donald Trump disse que os Estados Unidos devem permanecer ao lado de Israel, acusando Biden de tornar o mundo um lugar "mais violento e instável".

Numa declaração do seu movimento de ação política Salvar a América, Trump lembrou que durante a sua presidência os adversários de Israel sabiam de que lado estavam os EUA e que resposta teriam caso atacassem os aliados de Washington.

As forças armadas israelitas anunciaram, esta quarta-feira, ter realizado um novo ataque contra a Faixa de Gaza, enclave palestiniano onde o Hamas, no poder, indicou que a sede da polícia foi destruída.

Esta manhã, o Hamas anunciou ter disparado mais de 200 foguetes contra Israel em resposta aos ataques israelitas contra um edifício no centro do enclave palestiniano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de