Emigrantes "não vão beneficiar nada" de incentivos fiscais propostos por Costa

Medidas de apoio para emigrantes que regressem ao país não passam de "campanha", diz o conselheiro das comunidades portuguesas no Reino Unido.

Os incentivos prometidos aos emigrantes que regressem a Portugal não passam de propaganda política, condena o conselheiro das comunidades portuguesas no Reino Unido.

Em declarações à TSF, António Cunha reage assim ao anúncio feito ontem por António Costa, em Caminha: quem regressar a Portugal em 2019 e 2020 vai pagar metade do IRS, ter descontos na viagem de regresso e na habitação . É uma das medidas da proposta do PS para o Orçamento de Estado do próximo ano.

António Costa explicou que o Governo procura assim incentivar o regresso dos portugueses que emigraram nos "momentos dramáticos" entre 2011 e 2015, em plena crise financeira.

Na opinião de António Cunha, a medida não faz sentido porque os jovens que saíram de Portugal nos últimos anos já estão integrados e não pensam em voltar.

Estes emigrantes, garante, estão no Reino Unido "muito melhor" do que em Portugal, mesmo contando que lhes seriam oferecidos benefícios fiscais. "O que é que lhes vai dar Portugal? Não lhes dá garantias nenhumas."

Para o Governo há emigrantes de primeira e emigrantes de segunda, acusa a social-democrata Rubina Berardo.

O Reino Unido foi nos últimos anos, um dos principais destinos dos emigrantes portugueses. O observatório das migrações calcula que em 2016 tenham saído para a Grã-Bretanha mais de 30 mil portugueses.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de