Rio deve convidar Montenegro a falar no Congresso Nacional. Seria "um gesto democrático"

"O PSD não é um partido estalinista", defende Paula Teixeira da Cruz. Por isso, diz, quando esta quinta-feira o Conselho Nacional votar a moção de confiança à direção de Rui Rio o voto terá de ser secreto.

Paula Teixeira da Cruz desafiou Rui Rio a convidar Luís Montenegro a falar no Congresso Nacional, onde este não tem assento nem como membro nem como participante.

Almeida Henriques, que faz da mesa do Conselho Nacional, já fez um requerimento a Paulo Mota Pinto nesse sentido , mas social-democrata, apoiante de Luís Montenegro, gostava de ver o presidente do partido tomar a iniciativa.

"Fazer esse convite seria um gesto de democracia e liberdade", defendeu Paula Teixeira da Cruz, entrevistada por Fernando Alves na manhã TSF.

A propósito do método de votação - voto secreto, braço no ar ou votação nominal - a ex-ministra defende que não há lugar para dúvidas: o voto tem de ser secreto.

"Os estatutos preveem que quando um determinado número de conselheiros pede que determinada votação seja feita por voto secreto ele tem que o ser", nota.

Em segundo lugar, estão em causa membros do Conselho Nacional e também o Tribunal Constitucional já se pronunciou a favor da votação secreta.

O regulamento do Conselho Nacional estabelece que as votações neste órgão se realizam por braço no ar, com três exceções: eleições, deliberações sobre a situação de qualquer membro do Conselho Nacional e deliberações em que tal seja solicitado, a requerimento de pelo menos um décimo dos membros do Conselho Nacional presentes.

"Além disso, votação de braço no ar é muito própria dos partidos estalinistas, dos partidos não democráticos, para condicionar a liberdade de voto", condena Paula Teixeira da Cruz. "O PSD não é um partido estalinista"

Leia aqui tudo sobre a crise no PSD

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de