Centeno "vergonhoso" no Eurogrupo. Vai haver "austeridade pior do que em 2011"

Yanis Varoufakis afirma que o pacote europeu de 500 mil milhões para combater a crise é o início do fim do euro. Antigo ministro grego das Finanças critica Centeno e avisa: "Vai haver austeridade".

Tornou-se uma figura mediática em 2015, quando assumiu a pasta grega das Finanças no Governo de Alexis Tsipras, do Syriza. Ao longo de seis meses, confrontou a troika e Bruxelas, exigindo uma reestruturação da dívida grega.

Saiu em conflito com o primeiro-ministro, depois do referendo que ditou a vitória do "não" a medidas impostas num novo programa de resgate, resultado que o Governo grego acabou por não levar à prática.

Em entrevista à TSF, Yanis Varoufakis afirma que o acordo do Eurogrupo, que aprovou um pacote de mais de 500 mil milhões de euros para fazer face às consequências da pandemia do novo coronavírus marca "o início da desintegração europeia".

READ HERE IN ENGLISH

O Eurogrupo aprovou um pacote de 500 mil milhões de euros para fazer face à crise. No Guardian escreveu recentemente que o acordo é "um presente para os inimigos da Europa". Explique.

Para começar, os 500 mil milhões são quase só empréstimos. É exatamente o que a Europa não precisa, especialmente nos países que estão a sofrer mais, como Itália ou Espanha ou a Grécia, que têm menor capacidade de aumentar a dívida pública. O motivo pelo qual os eurobonds - que nove países, incluindo a Grécia e Portugal pediram - são essenciais é porque constituem uma reestruturação da dívida, de forma a que não vá para os países, sendo partilhada pela Europa. Espalhando a dívida, o valor líquido diminui nos próximos 20 anos, tornando-se mais gerível.

Ao rejeitar os eurobonds, tendo em vez disso empréstimos do Mecanismo Europeu de Estabilidade ou dos mercados, países como a Grécia ou Portugal vão estar tão endividados no próximo ano que, mesmo sem restrições orçamentais europeias, vai haver um nível de austeridade pior que a de 2011. E depois, quando a economia começar a sair da crise, vai haver uma segunda vaga de recessão que vai ser imposta por Bruxelas e Frankfurt.

Berlim já começou a falar em retomar o travão da dívida no próximo ano. Não se enganem: eles vão pedir consolidação fiscal para Portugal, para a Grécia, Espanha e Itália em 2021. Não pode haver melhor presente para os eurocéticos, para os nacionalistas que querem destruir a União.

O problema está na natureza da solução ou no valor? O pacote alemão é maior do que o europeu.

Em ambos. O valor faz dó. O resto do mundo está a rir-se da Europa, e com razão. É só 0,2% do PIB da zona euro. O resto é empréstimos, e os empréstimos são inúteis. Um problema de bancarrota não se resolve com empréstimos e é esse o problema que enfrentamos.

A Alemanha, por causa da sua margem orçamental, está a canalizar injeções diretas de 6%. Não são empréstimos. Em Portugal e na Grécia são cerca de 0,9%. Isto vai ampliar os desequilíbrios já existentes, a tal ponto que os políticos, sobretudo nos países do Sul, como a Itália, por exemplo, vão tornar-se tóxicos. Não vejo como é que a zona euro pode sobreviver fazendo erros da mesma natureza dos de 2010, quando tratou os problemas de insolvência dos nossos dois países como se pudessem ser solucionados com empréstimos.

A longo prazo, os países que hoje se opõem aos eurobonds chegarão a um ponto em que não terão outro remédio senão aceitá-los?

Não estou a ver por que motivo mudariam de opinião no futuro. É por isso que acho que o Eurogrupo de dia 9 de abril vai ser lembrado como o momento em que a desintegração da União Europeia e da zona euro começou.

Este acordo foi mediado por Mário Centeno. Como classifica o desempenho do ministro português enquanto presidente do Eurogrupo?

Uma palavra: vergonhoso. Ele devia baixar a cabeça com vergonha por ter arranjado este não-acordo. Se esta não fosse uma situação trágica seria uma piada. O sr. Centeno vem de um país que conhece a dor da austeridade, que sabe que a zona euro nunca lidou racionalmente com a enorme crise de 2010 e 2011. O sr. Centeno tinha o dever moral e político para com os povos português e europeu de não repetir os desempenhos do sr. Juncker e do sr. Dijsselbloem quando eram presidentes do Eurogrupo.

O ministro holandês das finanças sugeriu que Itália e Espanha fossem investigadas por não terem dinheiro para lidar com a crise. Mais tarde pediu desculpa, depois do primeiro-ministro português ter dito que eram declarações repugnantes. A palavra solidariedade ainda tem significado na Europa?

Não. Não tem. Os resgates a Portugal e à Grécia foram disfarçados de solidariedade. E foram solidários: com o Deutsche Bank e com a Societé Generale, porque o dinheiro que foi para os países acabou por servir para pagar dívidas que bancos franceses e alemães acumularam em 2008 nos Estados Unidos.

Mas julgo que estamos a fazer um grande erro, enquanto portugueses, gregos ou mesmo alemães. Isto não é uma questão de solidariedade. Não devemos pedir solidariedade ao ministro holandês. Se pedir solidariedade a um cidadão holandês, eles têm o direito de rejeitar. Podem dizer "quero ser solidário, vou fazer-te um empréstimo ou dar-te uma prenda". E isso é um argumento.

O ministro holandês tem razão. Ele não tem uma obrigação de concordar com eurobonds em nome da solidariedade. Mas tem a obrigação de aceitar os eurobonds porque é a única opção sensata e que também é no interesse da Holanda.

O que eles têm de compreender é que o motivo pelo qual têm contas públicas melhores que as de Portugal ou Espanha ou da Grécia é que tiveram taxas de juro negativas que fizeram a dívida descer, mesmo sem terem feito nada.

As exportações deles foram altas porque o euro estava baixo. E estava baixo porque na zona euro há países com défices. Os excedentes orçamentais devem-se a estarem numa zona com países com défices. Não podem dizer que foi só trabalho deles. Se querem o benefício do euro, têm de ter os eurobonds. E se querem ser inteligentes no seu egoísmo, deviam aceitá-los. Nós, os países do Sul, não devemos apelar à solidariedade. Devemos apelar ao bom senso.

Esta crise pode levar ao fim da zona euro?

Não tenho dúvidas de que sim, se continuarmos neste caminho. Itália vai ter de pedir enormes quantidades de dinheiro emprestado. Vai ter um colapso de 10% no PIB. O rácio de dívida sobre o PIB vai rapidamente aumentar para 180% ou mais. O défice vai ser gigantesco: 15%, talvez 20%. No próximo ano, Bruxelas vai dizer, por exemplo: "vão ter de reduzir de 18% para 7%". Isto é um programa de austeridade de 11% do PIB. Qualquer governo que tenha de implementar um programa assim vai para a rua rapidamente. Matteo Salvini vai cavalgar para o poder e garanto que a primeira coisa que vai fazer é um plano para a Itália sair do euro. E se a Itália sair, saímos todos.

Há grupos de defesa dos direitos humanos que alertam para uma situação potencialmente perigosa nos campos de refugiados na Grécia. A Europa e o governo grego estão a fazer o suficiente para evitar um desastre?

O governo grego tem sido desprezível. Tem tratado os refugiados como sub-humanos. Não fez nada para lhes dar condições. O nosso partido, o MeRA25, que represento no Parlamento, pediu desde o primeiro dia que fossem deslocados. Temos tantos hotéis vazios, agora que não há turismo. Que acabem com os campos e os coloquem nos hotéis temporariamente, e paguem aos hotéis, toda a gente ganharia. Mas não. O governo isolou os campos, que nem têm unidades médicas. Mesmo sem o coronavírus, eles já morriam por viverem em condições terríveis. Com Covid-19 é uma catástrofe.

O FMI prevê uma recessão pesada em toda a zona euro. Será uma recessão longa?

Não tenho dúvidas de que o lamentável Eurogrupo ao qual o sr. Centeno presidiu condenou a zona euro a ser um bloco económico doente. A China, os Estados Unidos e o Reino Unido vão ter uma recuperação muito mais rápida. A falta de um estímulo forte na zona euro garante que vamos sair desta crise com as economias muito enfraquecidas e com os desequilíbrios entre os países do Norte e do Sul muito mais fortes.

Fundou o movimento Democracia na Europa (DiEM25) e a secção política grega, o MeRA25. A referência a esse ano é porque esse seria o prazo para democratizar a Europa. Mantém este horizonte?

A questão que colocámos a nós próprios em 2015 foi a de saber quanto tempo temos para democratizar a Europa antes de chegarmos a um ponto de não retorno. Um pouco como nas alterações climáticas. Quando é que a Europa vai chegar a um ponto em que os desequilíbrios são tão grandes que não conseguimos estar unidos? E achámos que seriam 10 anos. O coronavírus demonstrou que isto era otimista. Se não nos unirmos agora, com uma ameaça igual para todos, se não entendermos que estamos no mesmo barco... e não é uma questão de solidariedade, é uma questão de racionalidade.

Divulgou as gravações das reuniões do Eurogrupo em que participou em 2015. Isso não pode levar a uma maior desconfiança entre os países?

Pelo contrário. O argumento que as pessoas não são suficientemente inteligentes é um argumento contra a democracia e pelo fascismo. Veja o Eurogrupo de dia 9 de abril: foram tomadas decisões importantes que condenam a Europa a mais recessão, austeridade e dor para a maioria dos europeus. Acredito que os portugueses têm todo o direito a saber o que o sr. Centeno disse em nome deles. Os alemães devem poder saber o que disse o ministro deles. Se tratarmos as pessoas como incapazes de lidar com informação sobre as suas vidas, o que estamos a dizer é : não queremos uma democracia, queremos uma oligarquia com eleições de vez em quando, em que as pessoas vão às urnas sem informação sobre o que os seus representantes fazem à porta fechada

Olhando para trás, para o tempo em que foi ministro das finanças da Grécia, arrepende-se de alguma coisa? Teria feito alguma coisa de forma diferente?

Ah, claro. Teria feito muitas coisas diferentes. Mas a questão principal é: o que eu teria feito, com a mesma informação que tinha na altura? E eu teria sido muito menos conciliatório com a troika. Devia ter sido muito mais duro. Devia ter feito um ultimato: ou temos uma reestruturação da dívida, ou saímos do euro hoje mesmo.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de