"Não houve qualquer posição." Marcelo recorda que Cavaco e Sócrates estavam no poder quando Mundial foi aprovado

Presidente da República realçou que Portugal mantém relações diplomáticas com vários países não democratas.

Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de recordar, esta terça-feira à tarde, que Cavaco Silva era o Presidente da República e José Sócrates o primeiro-ministro na altura em que este Mundial no Catar foi aprovado e tanto na época como depois disso não houve qualquer tipo de posição da comunidade internacional como já tinha havido no passado, pelo menos numa das edições dos Jogos Olímpicos. Além disso, o Presidente da República insiste que a competição é importante para dar projeção a Portugal e, por isso, volta a defender que as autoridades portuguesas devem estar representadas.

"Não houve na altura, nem depois, qualquer tipo de posição da comunidade internacional, como tinha havido no passado pelo menos nos Jogos Olímpicos", lembrou Marcelo.

O chefe de Estado realçou também que Portugal mantém relações diplomáticas com vários países não democratas e defendeu que o Mundial de futebol é um certame importante e que as autoridades portuguesas devem lá estar.

Além disso, Marcelo considerou que "os votos contra foram, obviamente, de conteúdo, não foram formais e, portanto, significa que houve uma ponderação política".

"Já em anteriores votações tinha havido. Já me tinha deslocado a países vários com votos contra, por haver a ideia, daqueles que votavam contra minoritariamente, de que não sendo democracias, não fazia sentido lá ir ou que qualquer contacto seria uma legitimação", declarou, acrescentando que "não é essa a orientação da política externa portuguesa".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de