Desenvolvido em Portugal. Pequeno aparelho faz testes à Covid-19 em 30 minutos

Aparelho portátil cabe num bolso e é de uma simplicidade "extremamente grande".

Chama-se DOCTOR VIDA e é um pequeno aparelho portátil que testa o novo coronavírus em 30 minutos. O pequeno dispositivo começou a ser validado pelo Centro de Testes da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real. O mecanismo deverá servir para diagnósticos rápidos para doentes urgentes em meio hospitalar.

O DOCTOR VIDA é um aparelho que tem um software desenvolvido pela empresa portuguesa STAB VIDA, que trabalha na área da biotecnologia e genética, e está agora numa fase de validação. "A ver se o equipamento deteta o SARS COV-2 como os testes moleculares que nós estamos a realizar, mas muito mais complexos porque se precisa de um laboratório apetrechado enquanto este aparelho, não. Também estamos a tentar encontrar determinados bugs que os softwares têm."

Quem o diz é Raquel Chaves, Bioquímica e geneticista, responsável pelo Centro de Testagem à Covid-19 na Universidade de Vila Real. Acrescenta que "o pequeno dispositivo pode ser manuseado facilmente por qualquer pessoa. Ele é de uma simplicidade, em termos de funcionamento, extremamente grande. Basta dizer que aquilo é um pocket (aparelho que cabe num bolso) mais pequeno do que um telemóvel. Está associado a um telemóvel que tem o software que tem o DOCTOR VIDA". E que funciona ligado por Bluetooth e que depois só necessita de rede de telemóvel para transferir os resultados em apenas meia hora. Mas o aparelho, diz a investigadora, não foi criado para ser usado em casa, embora também se possa fazê-lo, mas para casos urgentes em contextos hospitalares.

"Hoje em dia, com todos os procedimentos que sejam algo invasivos, tem que se fazer o teste da Covid-19, até para proteger os profissionais de saúde. É só fazer uma colheita, colocam no aparelho e passados 30 minutos, o aparelho transfere para um telemóvel se efetivamente deteta o SARS-COV-2 ou não deteta. Rapidamente se pode intervencionar a pessoa. Quando ele foi pensado foi com este conceito", assinala.

Há uma semana que Raquel Chaves e mais 10 investigadores voluntários da UTAD andam entusiasmados à volta do aparelho para corrigir anomalias que possam aparecer "em termos de software, mesmo de algoritmo de deteção, porque suponho que, no máximo em dois meses, conseguiremos validar o equipamento."

A validação do DOCTOR VIDA vai ser feita em pelo menos mais dois laboratórios nacionais e depois a última palavra caberá ao Infarmed. Seguindo os prazos, é bem possível que esteja disponível para ser usado, lá mais para o fim do verão e com uma certeza: fará testes ao coronavírus em apenas 30 minutos.

Esta colaboração do Centro de Testagem da UTAD foi agora reforçada através de um projeto conjunto submetido à Fundação para a Ciência e Tecnologia (Call COVID-19), que terá também a colaboração dos Hospitais do Porto e Covilhã. O Centro de Testagem já realizou mais de um milhar de testes à Covid-19 em menos de um mês de funcionamento, em coordenação com o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro e a ARS Norte, através das ACES Douro I e Tâmega II.

LEIA AQUI TUDO SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de