Da lavagem do lixo à caixa da pizza. Os (muitos) mitos e as verdades da reciclagem

Os contentores azuis, amarelos e verdes estão em todo o lado, mas nem toda a população recicla, muitas vezes devido a mitos. Estas crenças são verdadeiras ou fazem sentido?

O mundo da reciclagem é repleto de mitos, ideias que afastam as pessoas do ecoponto e que as leva a recusarem-se a separar o lixo. E, na maioria das vezes, esses factos dados como certos não são mais do que enganos e mentiras.

Apesar das dúvidas nas cores dos ecopontos e até das hesitações, a grande batalha é com o ecoponto amarelo, já que é o menos respeitado, por ser o que recebe mais materiais diferentes. De fraldas, a lixo orgânico, tudo aparece no contentor do plástico e metal.

"Separamos e vocês misturam tudo"

É o maior mito da reciclagem. "O top", admite Ana Loureiro, responsável pela comunicação da EGF - Environment Global Facilities.

Os camiões que fazem as recolhas têm dois ou três compartimentos e o facto de se ver o plástico, o cartão ou o vidro a serem colocados no mesmo veículo não quer dizer que a divisão não esteja a ser feita. Trata-se apenas de uma "otimização de recolhas".

Lavar o lixo que vai para o ecoponto

Se já ouviu dezenas de vezes que as embalagens devem ser lavadas antes de irem para o ecoponto... esqueça. Não é verdade. "É um absurdo, não precisam, não gastem água para lavar lixo, a água é um bem escasso e precioso", esclarece.

As embalagens devem ser escorridas, espalmadas e colocadas no ecoponto certo, nada mais.

A caixa da pizza

É verdade que o papel com gordura não deve ser colocado no ecoponto, mas não é preciso exagerar. "A caixa da pizza, por exemplo, quase não tem gordura nenhuma, dá para reciclar, não há problema nenhum se colocar a caixa da pizza na reciclagem, é um mito", explica.

O papel molhado

O papel ensopado deve ficar completamente fora do ecoponto azul. Não está em causa só a gordura, mas também a humidade. O papel húmido é um problema para a reciclagem.

E que papel não é reciclável?

O ecoponto azul quer receber papel e cartão, mas nem tudo aquilo a que chamamos papel está apto a ser reciclado. De fora deve ficar o papel vegetal, plastificado, encerado, autocolante e todo o papel que tem "uma contaminação de outro tipo de material".

Os guardanapos sujos, lenços usados e até toalhitas também devem ficar bem longe do ecoponto azul.

O eterno pacote de leite

Não é uma dúvida do século passado, muito pelo contrário. "Volta e meia perguntam-nos onde fica o pacote de leite". Não há que ter dúvidas: o pacote de leite e equivalentes são colocados no ecoponto amarelo.

As latas

Este material é o "mais valioso" que existe no ecoponto, mas ainda há quem coloque questões. As latas são 100% recicláveis e devem ir sempre para o ecoponto amarelo.

O verde do vidro que recebe o que não deve

As embalagens de vidro, frascos, boiões e coisas que compramos em vidro são o fundamental do ecoponto verde, já que muito do restante vidro não é bem-vindo a este ecoponto.

Há muitos materiais que parecem vidro mas não são, têm outros componentes: há copos de cristal, há pirex, há vidros de janela que têm componentes para os tornar mais resistentes e esses materiais vão prejudicar muito o processo de reciclagem do vidro.

Cerâmica no vidrão

As cerâmicas são difíceis para o ecoponto verde. Os pratos, as canecas e as chávenas aparecem muito no vidrão e são "muito prejudiciais" no processo de reciclagem do vidro.

Objetos que 'cabem' em dois ecopontos

Quando há embalagens que cabem em dois ecopontos - como é o caso dos envelopes com janela - caso não seja possível separar, deve ser colocado no contentor da maior quantidade, neste caso o azul. "Há sempre um nível de contaminação que a indústria consegue gerir", revela Ana Loureiro.

LER MAIS:

- Portugueses vão ter um novo contentor em breve: o castanho

Veja como é o processo de reciclagem, passo a passo.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de