Orçamento do Estado

Passes sociais a preços mais baixos também podem chegar ao grande Porto

Caso a proposta anunciada por Fernando Medina seja aprovada, Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto serão abrangidas pela medida.

Fernando Medina anunciou, em entrevista ao semanário Expresso , que foi feita uma proposta ao Governo para a redução dos passes sociais, o que fará com que os passes usados para circular na Área Metropolitana de Lisboa não passem os 40 euros. A iniciativa é também para a Área Metropolitana do Porto (AMP), como revelou à TSF o presidente da AMP, Eduardo Vítor Rodrigues.

"A proposta que o presidente Fernando Medina está a apresentar é uma proposta conjunta que envolve também a Área Metropolitana do Porto", esclareceu o responsável, frisando que o autarca de Lisboa apresentou a proposta que idealizou "mas quando se vier a operacionalizar, operacionalizar-se-á nas duas áreas metropolitanas".

Perante a proposta que surgiu numa cimeira entre os autarcas, a AMP comprometeu-se a fazer "o estudo económico para perceber se isto é viável, quer do ponto de vista da salvaguarda do Orçamento do Estado, quer do ponto de vista dos próprios operadores privados". O estudo "está feito" e, caso a proposta avance, Lisboa e Porto terão direito aos mesmos benefícios.

Eduardo Vítor Rodrigues salientou ainda que os valores dos passes de transporte também vão rondar os preços propostos por Lisboa, ou seja, 30 euros para transportes dentro da cidade e 40 euros na zona metropolitana.

"É um esforço que tem de ser feito ao nível do Orçamento do Estado e esse esforço tem de ser de cativação de verbas que hoje estão a ser cobradas, ora por via dos impostos do trabalho e dos impostos dos combustíveis, desviando uma pequena percentagem para o financiamento desta medida que, juntando as duas áreas metropolitanas, corresponde a um pouco mais de 100 milhões de euros. Parece muito dinheiro mas naquilo que representa de estratégico para o país é muito razoável", explicou o presidente da Área Metropolitana do Porto.

Por outro lado, o responsável fala ainda numa medida que é razoável também para o ambiente, já que o objetivo é que os utentes comecem a deixar o carro em casa e voltem a fazer o caminho com os transportes públicos.

  COMENTÁRIOS