Após dois dias, presidente do Sindepor suspende greve de fome

Carlos Ramalho estava em greve de fome desde quarta-feira. Anúncio de que as negociações vão ser retomadas pôs fim ao protesto.

O presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) decidiu suspender a greve de fome que leva a cabo desde quarta-feira.

Em declarações à RTP, Carlos Ramalho disse que ia pôr fim ao protesto, depois de o Governo ter anunciado que as negociações com os enfermeiros seriam retomadas nos primeiros dias de março .

O presidente do Sindepor teve pela primeira vez conhecimento desta notícia esta manhã, através da TSF, minutos depois da divulgação do comunicado do Ministério da Saúde, mas disse que ia aguardar que o Executivo lhe comunicasse a intenção de retomar as negociações para decidir se punha ou não fim à greve de fome.

"Não basta anunciar negociações, é preciso encontrar consensos", considerou, em declarações no Fórum TSF, conduzido por Manuel Acácio. "Não podemos abdicar de reivindicações que mantemos há anos".

A ministra da Saúde, Marta Temido, ligou depois a Carlos Ramalho, apelando para se sentarem à mesa.

O dirigente sindical estava em greve de fome na última quarta-feira nos jardins em frente ao Palácio de Belém, em Lisboa como forma de protesto até que as negociações com o Governo fossem retomadas. "Se era necessário um mártir, ele aqui está", disse na altura.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de