Santana Lopes e Paulo Sande em situação "estável e favorável"

Líder do Aliança e cabeça de lista do partido às Europeias sofreram um acidente na A1 durante a tarde desta quarta-feira.

A situação clínica do presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, e do cabeça de lista às eleições europeias, Paulo Sande, é "estável e favorável", informou hoje o partido em comunicado.

O líder do partido e o cabeça de lista às europeias sofreram hoje um acidente de viação, na autoestrada 1 (A1), quando seguiam de Coimbra para Cascais, "em ações de campanha", dá conta a nota.

Santana foi helitransportado para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), enquanto Paulo Sande seguiu de ambulância.

"De acordo com as mais recentes informações disponibilizadas pelo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, a situação clínica de ambos é estável e favorável", informa a Comissão Executiva da Aliança, acrescentando que "havendo nova informação", relativamente ao estado clínico, a mesma será prestada pelo partido.

A Aliança refere também que a agenda de campanha eleitoral de ambos se encontra suspensa e que irá ser "retomada logo que o quadro clínico o permita".

"Entretanto, a Aliança continuará as ações previstas, aguardando que estes se juntem às mesmas, com redobradas forças, com a maior brevidade possível", lê-se na nota, na qual o partido "agradece a atuação das equipas de socorro que estiveram no local, dos médicos e enfermeiros que incansavelmente têm acompanhado" Pedro Santana Lopes e Paulo Sande.

O partido agradece também as "inúmeras mensagens de todos os militantes, simpatizantes, amigos e representantes de outras forças políticas que, nesta hora, se unem em solidariedade no desejo de rápida recuperação".

Suspeitas de traumatismo torácico e traumatismo craniano

O presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, poderá ter sofrido um traumatismo torácico e o candidato às europeias, Paulo Sande, um traumatismo craniano, segundo os médicos do INEM que hoje os assistiram no local do acidente rodoviário.

Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) adiantou à agência Lusa que os dois políticos foram transportados para os Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) para serem examinados, porque o INEM no local não dispõe de meios complementares de diagnóstico.

Só depois dos exames se poderão confirmar as suspeitas da equipa médica no local do acidente, na A1, sentido Coimbra-Lisboa, de um eventual traumatismo torácico em Pedro Santana Lopes e um traumatismo craniano de lista do partido às eleições europeias, Paulo Sande.

Segundo a fonte, Santana Lopes foi transportado de helicóptero para os HUC e Paulo Sande seguiu de ambulância acompanhado por uma equipa médica do Hospital dos Covões.

Questionada sobre o motivo da deslocação de um helicóptero para o acidente, a fonte do INEM disse tratar-se de "uma situação normalíssima e habitual", já que o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) recebeu um alerta para um "acidente grave, com capotamento, e dois feridos encarcerados".

A mesma fonte disse que foi acionado de imediato o 'heli' de Santa Comba Dão, uma viatura médica de emergência e reanimação do Hospital dos Covões e duas ambulâncias dos bombeiros voluntários de Pombal e de Soure.

De acordo com a fonte do INEM, após o desencarceramento e primeira análise às vítimas, a equipa médica no local (que chega normalmente antes do meio de transporte aéreo) decidiu manter a assistência do helicóptero.

O acidente ocorreu pouco antes das 17:30, ao quilómetro 136 da A1 (no sentido norte-sul).

A autoestrada esteve cortada ao trânsito nos dois sentidos, entre as 18:30 e as 19:27, para o helicóptero aterrar e levantar.

LER MAIS:

- Santana Lopes e Paulo Sande sofrem acidente de viação

- "Foi o cansaço." Sande recorda acidente e revela que airbags não dispararam

Continuar a ler