crise no psd

Egoísta, ambicioso e leviano. Direção do PSD acusa Montenegro de "cavar abismo" no partido

A vice-presidente do PSD acusou Luís Montenegro de lançar o caos no partido por egoísmo, ambição pessoal e receio de não ter lugar nas listas do partido.

A vice-presidente do Partido Social Democrata (PSD), Elina Fraga, não reconhece qualquer coragem a Luís Montenegro, por este ter desafiado o presidente do partido, Rui Rio, para eleições internas antecipadas.

Em entrevista à TSF, esta manhã, Elina Fraga considerou "revelador" o facto de o ex-líder parlamentar do partido ter gerado "uma crise interna no PSD" a três meses de eleições.

"Qual foi o interesse que ele [Luís Montenegro] preconizou gerando uma crise interna ao PSD a três meses de eleições europeias? Seguramente, não é o interesse dos portugueses. Seguramente, não é o interesse do PSD", atirou. "É absolutamente inusitado um desafio que não é reclamado por ninguém a não ser pelo próprio dr. Luís Montenegro e por um grupo que, claramente, está receoso de não ter uma entrada nas listas do PSD."

"É com pesar que a direção do partido se apercebe de que é um militante do seu próprio partido a cavar o abismo do Partido Social Democrata, numa altura em que o partido devia estar unido, coeso e empenhado numa luta que é gigantesca", declarou Elina Fraga. "Ao invés de estar concentrado na construção de uma alternativa para Portugal, [o PSD] está neste debate interno para o qual o dr. Luís Montenegro o arrastou", acrescentou.

Este domingo, o antigo presidente do PSD Luís Marques Mendes afirmou, em comentário na SIC, que Montenegro foi corajoso por ter dado a cara e ter-se proposto à liderança do partido. Elina Fraga reagiu a estas declarações, não reconhecendo qualquer coragem a Luís Montenegro. Na opinião da vice-presidente do PSD, alguém que fugiu a eleições há um ano não tem legitimidade para pedir um sufrágio direto agora.

"Eu teria reconhecido ao dr. Luís Montenegro coragem se, há um ano, numa altura em que se disputavam eleições internas, se tivesse assumido (...) como opositor, tivesse ido a eleições e tivesse aguardado a decisão dos militantes", disse Elina Fraga.

"A legitimidade democrática conquista-se em eleições. Portanto, quem se furta a eleições (...) não deve convocar uma conferência de imprensa para lançar um repto de 'eleições já'", rematou a vice-presidente do PSD, acusando Luís Montenegro de agir com "leviandade".

*com Fernando Alves e Ana Cristina Henriques

  COMENTÁRIOS