Joe Berardo é "um vampiro e um caloteiro assumido"

David Justino diz que a atuação de empresários como Joe Berardo floresceu durante o Governo de José Sócrates. Carlos César admite que existem "atos ou omissões criminais de pessoas que pertenciam a partidos".

David Justino juntou-se ao coro de críticas a Joe Berardo: É "o retrato de uma certa classe de empresários que são autênticos vampiros".

Esta quarta-feira no programa da TSF Almoços Grátis, o social-democrata condenou a atitude de um empresário que "viola tudo" e cuja inovação não reside na obra ou criação de riqueza, mas antes na "aldrabice".

Na comissão parlamentar de inquérito à CGD na sexta-feira, Joe Berardo disse que era "claro" que não tinha dívidas e que as obras de arte expostas no Centro Cultural de Belém (CCB) eram da Associação Coleção Berardo.

"É um caloteiro assumido, assume que não paga", mas "blindou-se recorrendo aos melhores advogados de forma a não ser atingido", acusou David Justino.

Na cabeça de quem assiste a esta audição resta a dúvida: "Não há nada que se possa fazer a este senhor?"

Políticos culpados por "atos ou omissões"

Este foi um "ataque às instituições políticas", considera, a começar pela Assembleia da Republica, que expôs a "impotência do Estado e das instituições para lidar com este tipo de comportamentos"

Para David Justino, há mais pessoas a quem apontar o dedo pelo empréstimo milionário que ficou por pagar, até porque "tanto é ladrão aquele que rouba as uvas, como aquele que fica à porta da vinha".

"Este tipo de ditos empresários - especuladores, para não lhes chamar algo mais grave - teve acolhimento político com uma época que coincidiu com o Governo de José Sócrates", acusa.

Em resposta, Carlos César admite que "estivemos perante atos ou omissões criminais de pessoas que pertenciam a partidos políticos".

"Para desgraça do nosso país vários dos nossos banqueiros foram endinheirados com o dinheiro dos bancos e atingindo notoriedade (...) não podemos dizer que não se tratam de ações imputáveis a partidos políticos".

Com Anselmo Crespo e Nuno Domingues

LER MAIS:

- A tragicomédia de Berardo no Parlamento num minuto

- "Call me Joe." As frases que marcam a vida e ascensão de Berardo

- Afinal de quem são os quadros? E as dívidas? Dúvidas a esclarecer sobre Joe Berardo

- Ricardo Araújo Pereira acredita que a dislexia de Berardo pode explicar tudo

- "Tentei ajudar os bancos numa altura de crise"

- Berardo "não merece ser comendador de coisa nenhuma"

- "Berardo não precisa de palavras", mas Marinho e Pinto não as poupou

- Marcelo exige "mais responsabilidade" a Berardo

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de