Atirador de Christchurch tinha licença e adquiriu armas de forma legal

Jacinta Ardem quer alterar as leis que regem as armas no país.

A primeira-ministra da Nova Zelândia afirmou esta sexta-feira que o atirador que causou pelo menos 49 mortos ao atacar duas mesquitas de Christchurch tinha licença e adquiriu as armas que usou para cometer os crimes de forma legal.

Em declarações à imprensa, Jacinda Ardern defendeu alterações nas leis do país sobre as armas, apesar de não especificar quais as medidas a tomar.

A primeira-ministra acrescentou que o suspeito, australiano, de 28 anos, viajou pelo mundo e passou períodos esporádicos na Nova Zelândia, referindo que as autoridades estão a investigar se dois outros suspeitos, que foram detidos, estão diretamente envolvidos nos crimes.

O atirador, de nome Brenton Tarrant, foi já presente ao juiz Paul Kellar, do tribunal distrital, que lhe leu uma acusação de homicídio. Entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto.

Brenton Tarrant vai regressar ao tribunal no dia 5 de abril. Já depois de o atirador ter abandonado a sala, o juiz referiu que, apesar de existir uma acusação de homicídio, é "razoável assumir que outras se vão seguir".

Na cidade, pouco se fala no assunto

À TSF, uma portuguesa em Chrtistchurch explicou que, na cidade, há mais carros da polícia do que o habitual, bom como helicópteros a sobrevoar a cidade. Não há, no entanto, grandes diferenças na vida da cidade, a não ser as restrições ao trânsito que ainda se verificam nalgumas ruas.

Esta cidadã lusa conta ainda que não se fala muito sobre o assunto na rua e que, entre a comunidade portuguesa, multiplicaram-se os contatos para saber como tinham passado a noite. Quase ninguém conseguiu dormir, mas a maioria mantêm o espírito de que tudo vai ficar bem.

As motivações

O atirador, que abriu fogo nas duas mesquitas, tentou apresentar os seus motivos no manifesto de 74 páginas que divulgou: é um australiano nacionalista branco de 28 anos que odeia imigrantes.

No documento, afirmou que estava zangado por causa dos atentados na Europa que foram perpetrados por muçulmanos e que queria vingar-se, queria causar medo.

Pelo menos 49 pessoas morreram e 48 ficaram feridas nas duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia.

Os ataques tiveram início às 13h40 (00h40 em Lisboa) nas mesquitas de Al Noor, em Hagley Park, e de Linwood Masjid.

Christchurch, com cerca de 376.700 habitantes, é a maior cidade da Ilha Sul da Nova Zelândia e a terceira maior cidade do país, localizada na costa leste da ilha e a norte da península de Banks. É a capital da região de Canterbury.

Brenton Tarrant reivindicou a responsabilidade pelos disparos e transmitiu em direto na Internet o momento do ataque.

LER MAIS:

- O que significam as inscrições nas armas do atacante da Nova Zelândia?

- "Rezei a Deus para que o atirador ficasse sem balas." O ataque que fez 49 mortos na Nova Zelândia

- O dia em que o terror chegou à Nova Zelândia

- Marcelo condena "ataque gravíssimo ao Estado de direito democrático"

- "Horror e profunda tristeza." O mundo reage a ataque terrorista na Nova Zelândia

Continuar a ler