Saúde

ADSE garante que há muitos privados que querem tratar funcionários públicos

A presidente do subsistema de saúde afirma que não faz sentido os hospitais privados dizerem que os valores que recebem são baixos.

A presidente da ADSE assegura que continua a ter, "constantemente", grupos privados interessados em assinar acordos de convenção com o subsistema de saúde dos funcionários públicos e familiares. É esta a resposta de Sofia Portela às criticas dos hospitais privados de que os preços são muitos baixos, pondo mesmo em causa a segurança dos cuidados de saúde.

PUB

A líder da ADSE adianta à TSF que a crítica é vaga, e afirma que precisaria de valores concretos para responder à letra, mas diz que a mesma não faz sentido, pois "aos dias de hoje, consecutivamente, temos sempre a chegar mais pedidos de convenção, pelo que se os valores fossem tão baixos não teríamos, pelo racional económico, tantos pedidos de convenção".

Sobre os prazos de pagamento apontados pelos hospitais privados - quase 300 dias -, a presidente da ADSE garante que tudo está em dia e que os números não são verdadeiros.

"A ADSE paga a todos os prestadores de acordo com os prazos, sem qualquer pagamento em atraso, com prazos que não são de todo os mencionados" nas críticas dos privados que ameaçam romper os acordos com o subsistema de saúde dos funcionários públicos.

LEIA MAIS:

- ADSE acusa hospitais privados de fazerem ameaças para condicionar negociações

- Grupo Lusíadas a um passo de abandonar ADSE

- Depois da CUF, a Luz Saúde também rompe com ADSE. Marcelo pede "bom senso"

- "Insustentável." Proprietário dos hospitais CUF suspende convenção com a ADSE

- Se não querem, venham outros. ADSE admite deixar grupos Mello e Luz e arranjar novos parceiros

- Afinal, os hospitais privados vão continuar a operar beneficiários da ADSE

- Conflito entre ADSE e privados deve aumentar adesão à greve da função pública

  COMENTÁRIOS